Ir para conteúdo

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada
Charles Dias

Review EXCLUSIVO - Rossi Premium R8

Posts Recomendados

     Depois de um pouco mais de tempo que o esperado, finalmente chegou a hora de apresentar a vocês o review completo da carabina de pressão PCP Rossi R8, novidade no mercado de carabinas de pressão nacional, alvo de muita curiosidade e ainda com poucas informações disponíveis.

20180603_163255.thumb.jpg.93f4d97489344ae776d552e72463c259.jpg

     Comecemos com as CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS mais relevantes:

  • Sistema de Ação: PCP (Pre Charged Pneumatic ou Ar Pré-Comprimido)
  • Calibre: 5,5 mm (0.22”)
  • Capacidade do Magazine: 8 chumbinhos
  • Comprimento Total: 1100 mm
  • Cano raiado de alta precisão com revestimento de fibra de carbono 
  • Comprimento do Cano: 660 mm (26”)
  • Peso Total: 3,400 Kg
  • Coronha de madeira natural (tipo Monte Carlo) com soleira de borracha
  • Trava de Segurança: Manual
  • Mecanismo: Ação simples e ação dupla de repetição
  • Volume de ar do reservatório: 450 ml (450 cc)
  • Pressão Máxima de Trabalho: 225 BAR (3260 psi)
  • Pressão Mínima de Trabalho: 70 BAR (1015 psi)
  • Mira: Alça de mira ajustável e massa de mira fixa. Trilho Picattiny removível que permite a utilização de luneta ou mira holográfica

Segundo a Rossi a R8 é um projeto nacional produzido e distribuído pela Premium Airguns sob licenciamento exclusivo, ou seja, ela foi desenvolvida e é produzida pela empresa Premium Airguns e por licenciamento leva a marca Rossi. 

Duas características chamam atenção na Rossi R8:

1 - O visual moderno e imponente da arma, que lembra muito uma calibre 12 com design mais agressivo e futurista;

2 - O mecanismo do tipo revólver com tambor para o chumbos e percursor (cão). 

CONHECENDO MELHOR A ROSSI R8

20180603_163258.thumb.jpg.0e9d094bc8e0fac496ab0a24d9f4def9.jpg

     A coronha da Rossi R8 é de madeira (creio que Teca) com grão e padronagens muito bonitos, acabamento acetinado, sem rebarbas e com tradicional desenho montecarlo. A soleira é de borracha ventilada para absorção de impacto. Achei a coronha um pouco mais longa que o usual, algo que por um lado a torna melhor de usar em pé sem apoio (permite uma pegada mais estável) mas no uso apoiada demandará algum reposicionamento dos atiradores com braços mais curtos.

20180603_163301.thumb.jpg.f4b564aee8f660dada97397857bda294.jpg

     Nessa foto é possível visualizar o percursor (cão) que tem a função de arma o mecanismo de disparo, a alavanca da trava de segurança e o tambor de chumbos. Chamo atenção para a leve depressão na madeira da coronha para facilitar o curso do dedão no (des)acionamento da trava de segurança, um detalhe que revela o cuidado do projeto. 

20180603_163303.thumb.jpg.78a4ea1bbfba03a4462695df543a729a.jpg

     O cilindro de 450cc chama atenção pelo tamanho, muito maior que o cilindro de apenas 180cc da Hatsan At44 por exemplo. O cano é revestido por um shroud de fibra de carbono. Acima do cano um trilho vazado de desenho sofisticado onde é posicionado o trilho de luneta e a alça de mira. 

20180603_163307.thumb.jpg.f8aba7aee960f3308e3fbede78afb573.jpg

     A alça de mira é toda de aço com ajuste lateral e de elevação (requer uma chave de fenda para isso, mas acho que poderia ser com botões estriados para permitir o ajuste sem a necessidade da ferramenta). O trilho de luneta ao ser fixado no lugar (por dois parafusos allen fornecidos) impede o uso da mira aberta. Esse trilho é dual, permitindo o uso de mounts picattiny ou dovetail.

20180603_163318.thumb.jpg.c2e325ab54a397e99df2405b054f45fe.jpg

     Na ponta do trilho acima do cano fica a massa de mira sem túnel (o que a deixa desprotegida). A ponteira do cano é rosqueável, permitindo sua retirada para uso de supressor de ruido. Abaixo da ponta do cano há uma tampa que protege o orifício onde deve ser plugado o probe de ar para reabastecer o reservatório.

20180602_113414.thumb.jpg.7b2cd97d3b3f83658f068106a1619bcd.jpg

     Sem o trilho de lunetas a parte superior da arma é lisa, permitindo a visualização da alça de mira que fica em posição avançada.

20180602_113508.thumb.jpg.09d137cb30a095de66f0f61db2e7d426.jpg

     A colocação do trilho de luneta requer a retirada de um parafuso allen e fixação da peça com outros dois parafusos (parafusos e chave fornecidos). Com o trilho não é mais possível utilizar a mira aberta, como dito anteriormente.

20180602_114204.thumb.jpg.85682d34c258899c1fdb51378493e177.jpg

     Usei um mount do tipo dovetail sem problema, mas poderia usar também um mount do tipo picattiny. Um porém no uso do primeiro tipo é a falta de um orifício para o stop pin do mount.

r8-manometro.jpg.e2e8a3b4a8e17302c0801b2f588b8717.jpg

    Na tela da coronha se encontra o manômetro que indica a pressão do ar no cilindro. Apesar do mostrador ir até os 300 BAR essa arma NÃO pode ser carregada com mais de 225 BAR.

958961154_r8parts.jpg.35f280956b90e1e1190e3a8a0ed00ca7.jpg

     A Rossi R8 é uma arma de pressão completa, muito bem pensada, desenhada, construída e acabada. Tem tudo o que se espera de uma arma de PCP de nível premium e até um pouco mais. Seu design é charmoso sem deixar de moderno e agressivo. 

O QUE VEM NA CAIXA

     A Rossi R8 é entregue numa grande caixa de papelão bem maior que as que comumente recebemos com armas de pressão. Isso se dá porque a arma já é enviada em um belo case rígido com revestimento interno de espuma ondulada. Infelizmente a caixa é um pouco grande demais para caber no banco traseiro de um carro de passeio, mas muito boa para deixar em casa e guardar a arma. De qualquer forma por conta disso seria legal ter sido enviado junto um case de lona para transporte no dia-a-dia. Também é enviada uma boa bandoleira (ótima para uso em campo, ainda mais que a arma já dispõe de zarelhos para sua fixação), óculos de proteção de ótima qualidade (inclusive com caixinha plástica para guardar), manual de instruções em português e em uma caixinha de papelão (que poderia ser plástica para ser condizente com a qualidade restante de tudo o mais) dois carregadores, um trilho de luneta com parafusos a de fixação e chave allen para essa finalidade, além da fill probe para carregar o tanque de ar da arma e uma lata de chumbos Rossi Power. 

image.png.d2831104ed8268dd16310c72465bd9ea.png

COMO FORAM CONDUZIDOS OS TESTES

    Tendo em vista que a Rossi R8 foi projetada para ser uma arma de campo e até por isso contar com um conjunto de mira aberta, decidi por conduzir os testes em duas fases:

1a Fase - Tiros com mira aberta em pé sem apoio com alvos de 25 a 50 metros

2a Fase - Tiros com mira ótica com apoio com alvos de 50 a 100 metros

     Antes de começar os testes fiz uma longa sessão de tiro informal usado chumbos Gamo ProHunter 5.5 para estabilizar e amaciar o mecanismo e fazer o chumbamento do cano. Definitivamente a Rossi R8 não gostou desses chumbos, porém atirei em um alvos grandes sem compromisso com a precisão, já que o objetivo nesse momento era outro. Aproveitei, porém, para já verificar a autonomia da arma.

     O cilindro da Rossi R8 tem 450cc. Segundo o fabricante essa arma tem autonomia de aproximadamente 100 disparos por reservatório de ar completo. Como se trata de uma arma não regulada, essa autonomia variará. Nos testes que realizei, carreguei o tanque com 210 BAR e atirei até 100 BAR (abaixo dessa pressão a performance dos disparos é fortemente afetada) e consegui atirar em média 40 disparos, o que dá uma média de 2,75 BAR por disparo, condizente com uma PCP magnum como a Rossi R8. De qualquer modo é uma boa autonomia ao meu ver.

SOBRE O MECANISMO DE DISPARO

Antes de começar com os testes práticos cabe falar sobre o grande diferencial dessa arma, o mecanismo de disparo do tipo revólver com gatilho de ação dupla.

20180620_072229.jpg.a17075c79ee4b0037327d714184bcc98.jpg

    A Rossi R8 lembra muito um tradicional revólver. Tem o percursor (cão) e o tambor de munições.

partes-do-revolver.jpg.d9e4a3c4b574a0ada21a4440553f3822.jpg

   Como seu gatilho é de ação dupla, há dois modos de se atirar com a Rossi R8.

Modo Precisão - Se arma o mecanismo de disparo levando o percursor para trás. Pressiona-se o gatilho para efetuar o disparo.

Modo Rápido - Se pressiona o gatilho repetidamente de modo que o mecanismo de disparo é armado automaticamente e disparado logo em seguida. 

    A cada disparo o projétil dentro de um dos orifícios do tambor é impulsionado para fora da arma e a peça é automaticamente girada para que o orifício seguinte contendo outro projétil fique alinhado com o cano e possa também ser expelido. Esse girar é chamado de movimento de revolução, em inglês revolving ... daí o nome revólver.

CURIOSIDADE - Muitos acham que revólveres são apenas armas curtas. Errado. Existem rifles do tipo revólver, sempre existiram e até hoje são fabricados, como esse Rossi/Taurus fabricado no Brasil mas vendido apenas no exterior com a marca Colt.

04_5.thumb.jpg.777227c795e3374375ea03e5f785c050.jpg

1a FASE - TIROS COM MIRA ABERTA EM PÉ SEM APOIO

     A Rossi R8 foi claramente projetada para ser usada nessa posição. O desenho e tamanho da coronha permite uma pegada ótima e deixa a arma estabilizada e alinhada para disparo com mira aberta ou ótica. O peso reduzido de 3,4 kg (mesmo peso de uma Hatsan AT44-10 com coronha de polímero e cilindro de apenas 180cc) se dá pela construção em alumínio de alta resistência e madeira mais leve da coronha sem abrir mão da resistência. Enfim, é uma arma gostosa de atirar em pé sem apoio.

     O conjunto de mira ótica com fibra ótica foi muito bem desenhado, fácil de visualizar e luminoso. Os únicos pecados foram:

- Necessidade de usar uma chave de fenda ou canivete para ajustar a alça de mira;

- Ausência de proteção para a massa de mira (algo importante para uma arma de uso em campo).

    Atirar com ela nessa posição usando o modo de precisão (acionando com o dedo polegar o percursos a cada disparo) é confortável e natural. Já o uso do modo rápido revelou o calcanhar de Aquiles dessa arma, o peso do gatilho. Não é fácil atirar em semi auto usando a falange distal (ponta do dedo), logo tive de usar a falange media (almofada central do dedo). Esse peso é compreensível e também verificado em revólveres, uma vez que é o movimento do gatilho o responsável por fazer mover todo o mecanismo de disparo e giro do tambor. 

    De cara deu para verificar que a arma não gostou tanto dos chumbos Rossi Power enviados com a arma. Testei alguns outros chumbos e os resultados mais promissores foram com os que seguem. Os disparos foram feitos com mira aberta em pé sem apoio com alvo a 25 metros numa tarde ensolarada praticamente sem vento.

MA1.jpg.03979a51df6638ded1fbc47cd48a5edf.jpg

MA2.jpg.a15eca92de88c1e55abcbe58f8ce40a2.jpg

MA3.jpg.c310475b9e82759b4d48081ab51fb7fa.jpg

     Deu para notar claramente que a Rossi R8 prefere chumbos mais pesados e que encaixam justo no magazine. Notem que dos chumbos acima os JSB estavam na lata grande, bem maior que as latas do chumbos Rossi e Cometa, portanto a dispersão foi proporcionalmente maior. Em vista disso dispensei os JSB dos testes posteriores.

      Atirar a 25 metros em pé sem apoio usando a mira aberta é muito fácil e tranquilo. O desenho e dimensões da coronha permitem uma boa pegada e a visualização do conjunto de mira aberta é fácil, dispensando malabarismos com a cabeça. Por ser uma PCP a arma não te recuo alguém. E a pancada dessa arma é forte, muito forte.

 

     Quanto ao ruído produzido pelos disparos, a Rossi R8 não é nem um pouco discreta. Mais barulhenta inclusive que uma arma de pólvora calibre .22 e que minha Hatsan AT44 Monoshot, o barulho chama bem atenção, porém não é alto o suficiente para exigir que o atirador use um abafador de ouvido. É uma arma que, digamos, não passa despercebida quando disparada.

     Não sendo os alvos a 25 metros grande desafio, passei para os 50 metros. A precisão da arma se manteve, porém um problema comum em miras abertas de armas de campo se mostrou presente também na Rossi R8, a espessura da fibra ótica. Pensada para fornecer pontos luminosos e de fácil visualização, a fibra ótica com espessura generosa acaba por encobrir alvos pequenos como latas de refrigerante quando posicionadas a distâncias maiores, o que prejudica a visada do alvo. Em conjunto com o gatilho bastante pesado, não foram raros os erros em que os chumbos "lambiam" as latas.

 

CONCLUSÃO DO USO COM MIRA ABERTA EM PÉ SEM APOIO - Ficou claro de que o projeto da Rossi R8 foi pensando para uso nessa posição de tiro, seja com mira aberta ou ótica. O desenho e tamanho da coronha, posicionamento do gatilho e sobretrilho onde fica a mira aberta são otimizados para esse uso. O peso reduzido da arma ajuda na estabilidade da pegada. A mira ótica poderia ser um pouco mais fina, porém não é nada que não possa ser compensado com o costume no uso e um pouco da intuição que decorre disso. 

2a FASE - TIROS COM MIRA ÓTICA APOIADO

     Montar uma luneta na Rossi R8 é bastante fácil, apesar de tomar um tempinho extra tendo em vista que o trilho para encaixar a mesma é destacável da arma e não vem montado nela a fim de não impedir o uso da mira aberta. A fixação do trilho de luneta (com encaixes Picattiny de 20mm e dovetail de 11mm) é fácil e rápido, basta retirar dois parafusos allen com a chave fornecida e fixar o trilho usando outros dois parafusos um pouco mais longos tambémf fornecidos. Faltou apenas um orificio para o stop pin existente em alguns mounts, o que não chega a ser um problema visto que a arma virtualmente não tem recuo algum.

     Aproveitei para fazer um teste de chumbos mais cuidadoso após a montagem da luneta e, definitivamente, a peça que me foi enviada gosta mesmo é dos chumbos Cometa Ultrashock Heavy, chumbos expansivos pesados com 25,4 grains (os JSB Jumbo Heavy têm 18,13 grains). Creio que esses chumbos apresentaram os melhores resultados por combinar peso elevado, serem alongados e entrarem justo no magazine (e consequentemente no cano). 

     A 25 metros foi possível obter agrupamentos do tamanho de uma moeda de 10 centavos. Mais uma vez resultados melhores não foram possíveis por conta do peso elevado do gatilho, como já foi dito.

25m.jpg.285f5b40e9d019b62fedb6154db04ee1.jpg

     Posicionei então um alvo a 50 metros  e feito o ajuste da luneta para essa distância diz várias sequência de oitos disparos (capacidade do carregador) e os resultados foram consistentes.

50m.thumb.jpg.73524cb3ef742f7f41b720a2e3b40858.jpg

     Note que são duas sequências distintas de disparos. A primeiro se deu mais abaixo do alvo e a segunda no centro do alvo após compensação de POI. O alvo é um centro de alvo de papel 10 metros com aproximadamente 6cm de diâmetro. Os efeitos nefastos do gatilho pesado foram amplificados pela distância, mesmo assim os resultados foram muito bons para uma arma com proposta de uso em capo.

     Em seguida posicionei um alvo a 75 metros.

75m.thumb.jpg.2e690089648bc180b73cd97b88522874.jpg

     A queda na precisão chama atenção. O agrupamento abriu sensivelmente e três dos disparos desgarraram. Isso se dá pela amplificação ainda maior da influência do peso do gatilho na precisão, bem como pela própria balística dos chumbos pesados e consequente queda exponencial da velocidade em relação à distância percorrida pelos chumbos. Creio que com um conjunto de gatilho com pelo menos metade do peso não haveria os desgarramentos observados e o agrupamento obtido seria melhor.

    Por fim posicionei um alvo a 100 metros.

100m.thumb.jpg.9d35320f701253b802ac42d457837248.jpg

     Aqui não mais o que falar de agrupamento. Os acertos foram dispersos em torno do alvo e não evidenciam nenhuma consistência. Apenas para efeito de comparação, vejamos um agrupamento em alvo do mesmo tamanho e posicionado igualmente a 100 metros que faço com minha Hatsan AT44 Monoshot com cano LW e gatilho aliviado (com 1/10 do peso do gatilho da Rossi R8).

100mAT.jpg.a076d632d6973c0107be2dfd385a574e.jpg

     Vejamos o desempenho da Rossi R8 nos 50 metros com mira ótica usando alvos bem pequenos, frasquinhos de aproximadamente três por um centímetros ... E depois um alvo especial para teste de impacto e disparos em sequência rápida, inclusive usando o gatilho de ação dupla.

 

     Como você pode ver, até 50 metros a Rossi R8 é muito, mas muito boa mesmo em termos de precisão, sem abrir mão do forte impacto dos disparos (amplificado pelo uso de chumbos expansivos). 

     Disparos em sequência rápidas em armas são assombrados pelo fantasma da temperatura. No caso das armas de fogo são as altas temperaturas que afetam as características físicas do cano e afetam a precisão dos disparos. Em armas de pressão PCP são as baixas temperaturas decorrentes das rápidas descargas de ar frio em sequência que igualmente afetam as características físicas do cano e também afetam a precisão dos disparos. Isso pode ser facilmente verificado na segunda parte do vídeo acima. A primeira e segunda sequências de disparos foram feitas apenas com o acionamento rápido do percursor, isso somando ao peso do gatilho explica a inconsistência dos POI. Na terceira sequencia foi utilizado o modo rápido de disparo com o gatilho de dupla ação e a queda dos disparos é marcante, em torno de dois dots de luneta.

     No quesito barulho produzido nos disparo, essa é uma arma nada discreta. O estampido dos disparos é alto e pode incomodar os atiradores com ouvidos mais sensíveis. A ponteira do cano porém é rosqueável, sendo portanto possível a instalação de um bom supressor de ruídos.

CONCLUSÃO

     Após usar a Rossi R8 por meia dúzia de vezes concluí que essa é uma arma que cumpre muito bem a proposta para a qual foi projetada, ser uma arma de campo para uso prioritariamente em pé sem apoio com mira aberta ou ótica, forte, precisa até 50 metros, leve, funcional sem deixar de ser invocada, bonita, provocante. Com ótima autonomia e fácil de manusear, é uma arma descomplicada. O gatilho pesado tem uma função de segurança dentro dessa proposta, evitando disparos acidentais. A construção quase toda em alumínio afasta o problema de ferrugem, uma ameaça presente para quem utiliza armas em capo onde orvalho, garoa ou mesmo chuva é um risco permanente. 

     Do modo como vem de fábrica permite tranquilamente o uso esportivo, demandando apenas que o atirador se acostume com o gatilho pesado e saiba otimizar seu acionamento tendo em vista a precisão, bem como observe a distância máxima de precisão ótima. No entanto, creio seria muito interessante se a Rossi lançasse uma variação dessa arma com um bloco de gatilho que fosse de ação simples apenas porém com um terço do peso e ajustável, tornando-a assim muito mais adequada para o uso esportivo de precisão.

     Considero a Rossi R8 uma boa compra, principalmente por ser entregue com dois carregadores, um bom case rígido e bandoleira de boa qualidade. O conjunto de mira aberta bem acertado é outro ponto interessante que deve ser levado em consideração na hora da compra. O sistema revólver funciona muito bem e muito mais prático que a tradicional alavanca lateral (side lever), permitindo rearmar a peça sem precisar retirar uma das mãos da arma e, assim, manter a visada do alvo. 

     Agradecemos ao Mundo da Carabina e Rossi pela disponibilização da Rossi R8 usada nesse review, bem como pelo envio de várias latas de chumbos para testes. Foi um prazer testar essa nova arma com projeto nacional e verificar que ela não tem somente beleza, mas entrega o que promete.

banner.jpg.de119e0b6eed244c909591897d6108d8.jpg

 

 

 

 

Editado por Charles Dias
  • Like 1
  • Upvote 8

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que legal, agora é a hora da verdade... Manda ver Charles!!!

Enviado de meu Moto G (5S) Plus usando Tapatalk

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que Bacana! Estava aguardando algum review dela, pois tenho interesse.

Charles, por gentileza, fale sobre o modos de disparo "ação simples" e "ação dupla" e porque eles poderiam influenciar na precisão.

Já pensando um pouco mais longe, quem sabe no futuro, um comparativo com a "urutu". É preciso esmiuçar essas PCPs nacionais!

Fico no Aguardo.

Até mais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Finalmente!!!!

Seguindo o tópico, seria perfeito juntar o dono de uma R8, URUTU e Fiora pra comparar as três.

 

Parabéns ao autor

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É muito bom um review dessa arma, tem-se muito pouca informação dela na net (apesar de ser um fabricante brasileiro, que teria a facilidade de enviar uma arma para os Youtubers fazer review. Não estou falando em dar uma arma para cada Youtuber, mas rodiziar uma arma entre eles, por exemplo).

Também achei interessante todas as coisas legais que a arma tem (manômetro, tanque de quase 0,5L, um magazine comprido para chumbos variados, etc).

Mas esteticamente achei muito ruim! A coronha tem uma caída horrível, essa fita em cima do cano para imitar espingardas de alma lisa, o perfil bem largo na região da telha (telha grande + cilindro grande + cano + fita)... Mas como dizem, beleza não põe a mesa, o desempenho final no alvo é o que importa. No entanto EU acho ela muito feia...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
6 horas atrás, BrunoM disse:

É muito bom um review dessa arma, tem-se muito pouca informação dela na net (apesar de ser um fabricante brasileiro, que teria a facilidade de enviar uma arma para os Youtubers fazer review. Não estou falando em dar uma arma para cada Youtuber, mas rodiziar uma arma entre eles, por exemplo).

Também achei interessante todas as coisas legais que a arma tem (manômetro, tanque de quase 0,5L, um magazine comprido para chumbos variados, etc).

Mas esteticamente achei muito ruim! A coronha tem uma caída horrível, essa fita em cima do cano para imitar espingardas de alma lisa, o perfil bem largo na região da telha (telha grande + cilindro grande + cano + fita)... Mas como dizem, beleza não põe a mesa, o desempenho final no alvo é o que importa. No entanto EU acho ela muito feia...

Realmente falta informações e a ideia desse review é cobrir essa lacuna, ainda mais por conta do investimento nem um pouco baixo necessário para a compra de uma. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

     Depois de um pouco mais de tempo que o esperado, finalmente chegou a hora de apresentar a vocês o review completo da carabina de pressão PCP Rossi R8, novidade no mercado de carabinas de pressão nacional, alvo de muita curiosidade e ainda com poucas informações disponíveis.

20180603_163255.thumb.jpg.93f4d97489344ae776d552e72463c259.jpg

     Comecemos com as CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS mais relevantes:

  • Sistema de Ação: PCP (Pre Charged Pneumatic ou Ar Pré-Comprimido)
  • Calibre: 5,5 mm (0.22”)
  • Capacidade do Magazine: 8 chumbinhos
  • Comprimento Total: 1100 mm
  • Cano raiado de alta precisão com revestimento de fibra de carbono 
  • Comprimento do Cano: 660 mm (26”)
  • Peso Total: 3,400 Kg
  • Coronha de madeira natural (tipo Monte Carlo) com soleira de borracha
  • Trava de Segurança: Manual
  • Mecanismo: Ação simples e ação dupla de repetição
  • Volume de ar do reservatório: 450 ml (450 cc)
  • Pressão Máxima de Trabalho: 225 BAR (3260 psi)
  • Pressão Mínima de Trabalho: 70 BAR (1015 psi)
  • Mira: Alça de mira ajustável e massa de mira fixa. Trilho Picattiny removível que permite a utilização de luneta ou mira holográfica

Segundo a Rossi a R8 é um projeto nacional produzido e distribuído pela Premium Airguns sob licenciamento exclusivo, ou seja, ela foi desenvolvida e é produzida pela empresa Premium Airguns e por licenciamento leva a marca Rossi. 

Duas características chamam atenção na Rossi R8:

1 - O visual moderno e imponente da arma, que lembra muito uma calibre 12 com design mais agressivo e futurista;

2 - O mecanismo do tipo revólver com tambor para o chumbos e percursor (cão). 

CONHECENDO MELHOR A ROSSI R8

20180603_163258.thumb.jpg.0e9d094bc8e0fac496ab0a24d9f4def9.jpg

     A coronha da Rossi R8 é de madeira (creio que Teca) com grão e padronagens muito bonitos, acabamento acetinado, sem rebarbas e com tradicional desenho montecarlo. A soleira é de borracha ventilada para absorção de impacto. Achei a coronha um pouco mais longa que o usual, algo que por um lado a torna melhor de usar em pé sem apoio (permite uma pegada mais estável) mas no uso apoiada demandará algum reposicionamento dos atiradores com braços mais curtos.

20180603_163301.thumb.jpg.f4b564aee8f660dada97397857bda294.jpg

     Nessa foto é possível visualizar o percursor (cão) que tem a função de arma o mecanismo de disparo, a alavanca da trava de segurança e o tambor de chumbos. Chamo atenção para a leve depressão na madeira da coronha para facilitar o curso do dedão no (des)acionamento da trava de segurança, um detalhe que revela o cuidado do projeto. 

20180603_163303.thumb.jpg.78a4ea1bbfba03a4462695df543a729a.jpg

     O cilindro de 450cc chama atenção pelo tamanho, muito maior que o cilindro de apenas 180cc da Hatsan At44 por exemplo. O cano é revestido por um shroud de fibra de carbono. Acima do cano um trilho vazado de desenho sofisticado onde é posicionado o trilho de luneta e a alça de mira. 

20180603_163307.thumb.jpg.f8aba7aee960f3308e3fbede78afb573.jpg

     A alça de mira é toda de aço com ajuste lateral e de elevação (requer uma chave de fenda para isso, mas acho que poderia ser com botões estriados para permitir o ajuste sem a necessidade da ferramenta). O trilho de luneta ao ser fixado no lugar (por dois parafusos allen fornecidos) impede o uso da mira aberta. Esse trilho é dual, permitindo o uso de mounts picattiny ou dovetail.

20180603_163318.thumb.jpg.c2e325ab54a397e99df2405b054f45fe.jpg

     Na ponta do trilho acima do cano fica a massa de mira sem túnel (o que a deixa desprotegida). A ponteira do cano é rosqueável, permitindo sua retirada para uso de supressor de ruido. Abaixo da ponta do cano há uma tampa que protege o orifício onde deve ser plugado o probe de ar para reabastecer o reservatório.

20180602_113414.thumb.jpg.7b2cd97d3b3f83658f068106a1619bcd.jpg

     Sem o trilho de lunetas a parte superior da arma é lisa, permitindo a visualização da alça de mira que fica em posição avançada.

20180602_113508.thumb.jpg.09d137cb30a095de66f0f61db2e7d426.jpg

     A colocação do trilho de luneta requer a retirada de um parafuso allen e fixação da peça com outros dois parafusos (parafusos e chave fornecidos). Com o trilho não é mais possível utilizar a mira aberta, como dito anteriormente.

20180602_114204.thumb.jpg.85682d34c258899c1fdb51378493e177.jpg

     Usei um mount do tipo dovetail sem problema, mas poderia usar também um mount do tipo picattiny. Um porém no uso do primeiro tipo é a falta de um orifício para o stop pin do mount.

r8-manometro.jpg.e2e8a3b4a8e17302c0801b2f588b8717.jpg

    Na tela da coronha se encontra o manômetro que indica a pressão do ar no cilindro. Apesar do mostrador ir até os 300 BAR essa arma NÃO pode ser carregada com mais de 225 BAR.

958961154_r8parts.jpg.35f280956b90e1e1190e3a8a0ed00ca7.jpg

     A Rossi R8 é uma arma de pressão completa, muito bem pensada, desenhada, construída e acabada. Tem tudo o que se espera de uma arma de PCP de nível premium e até um pouco mais. Seu design é charmoso sem deixar de moderno e agressivo. 

image.png.8dd4cd82452e6b2b19d1888aa336a7f4.png

banner.jpg.de119e0b6eed244c909591897d6108d8.jpg

 
 
 
 
 
 
Grande feraaaaaa.
Obrigado por trazer essas informações sobre essa rara carabina no mercado meu caro Charles.

Ansioso no aguardo dos próximos capítulos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
14 minutos atrás, Raufemann Fritz disse:

Grande feraaaaaa.
Obrigado por trazer essas informações sobre essa rara carabina no mercado meu caro Charles.

Ansioso no aguardo dos próximos capítulos.

Realmente não tem mesmo muita coisa sobre ela, Raufemann. De hoje até sexta-feira publicarei o review em partes. Fiz testes até 100 metros com ela.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Realmente não tem mesmo muita coisa sobre ela, Raufemann. De hoje até sexta-feira publicarei o review em partes. Fiz testes até 100 metros com ela.
Muito bom meu caro.
Vocês que tiram esse tempo em prol dos colegas de tiro são de grande valor para a comunidade.

2 grandes reviews na mesma semana.

Não poderíamos pedir mais hehehe.

Agradecemos mais uma vez.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Raufemann Fritz disse:

Muito bom meu caro.
Vocês que tiram esse tempo em prol dos colegas de tiro são de grande valor para a comunidade.

2 grandes reviews na mesma semana.

Não poderíamos pedir mais hehehe.

Agradecemos mais uma vez. emoji120.png

Se o Hexa não sair, pelo menos os reviews saíram!!!

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Aguardando e acompanhando esse review, sou fã de armas magnum e essa seria melhor opção por ser nacional!! Muito Bom bela iniciativa 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Review atualizado com testes com mira aberta em pé sem apoio a 25 e 50 metros.

  • Like 2
  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Review concluído, senhores. 

Dúvidas e comentários são bem vindos.

  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
59 minutos atrás, Charles Dias disse:

Review concluído, senhores. 

Dúvidas e comentários são bem vindos.

Parabéns !
Informação da R8 na internet se não era escassa era inexistente.
Muito bom ver a capacidade dessa arma além de seus detalhes, acredito que qualquer comprador mais atento acabará caindo nesse tópico.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 27/06/2018 em 17:44, Giovanni Junqueira disse:

Parabéns !
Informação da R8 na internet se não era escassa era inexistente.
Muito bom ver a capacidade dessa arma além de seus detalhes, acredito que qualquer comprador mais atento acabará caindo nesse tópico.

Agora não é mais tão escasso.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Atualizei o review com um vídeo de review com basicamente as mesmas informações, mas que pode interessar a quem tiver um pouco de preguiça de ler :)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pelo belo de detalhado review!

Meu pai comprou uma carabina dessas e participei junto com ele dos testes para a escolha do chumbo.... O chumbo que agrupou melhor na carabina dele foi disparadamente o Samyang domed 28,4 grains e em segundo lugar o Cometa Ultrashock Heavy  25,4 grains...  No cronógrafo, chumbos como o Jsb Heavy de 18 grains passam dos 290m/s... acho que por isso desestabilizam e não são precisos nessa arma...

O peso do gatilho que achei bastante excessivo no inicio, já amaciou um pouco e/ou nos acostumamos... fato que melhorou desde o primeiro teste... 

Meu pai ta acertando latinha de cerveja a 100m usando uma luneta leapers 4/16 com o celular acoplado num suporte (scopecam)... toda hora recebo um vídeo novo dele pelo zap... 

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Parabéns pelo belo de detalhado review!
Meu pai comprou uma carabina dessas e participei junto com ele dos testes para a escolha do chumbo.... O chumbo que agrupou melhor na carabina dele foi disparadamente o Samyang domed 28,4 grains e em segundo lugar o Cometa Ultrashock Heavy  25,4 grains...  No cronógrafo, chumbos como o Jsb Heavy de 18 grains passam dos 290m/s... acho que por isso desestabilizam e não são precisos nessa arma...
O peso do gatilho que achei bastante excessivo no inicio, já amaciou um pouco e/ou nos acostumamos... fato que melhorou desde o primeiro teste... 
Meu pai ta acertando latinha de cerveja a 100m usando uma luneta leapers 4/16 com o celular acoplado num suporte (scopecam)... toda hora recebo um vídeo novo dele pelo zap... 
Na realidade nestas armas onde o ar alimenta o chumbo no cano, quanto maior o chumbo e mais tipo slug (corpo em cone) ou piledrive, melhor ele veda, aproveita o ar e melhor é municiado no cano.

Porque?

Porque ele é comprido, ou seja ele não dança no magazine ao ser empurrado e entra na maioria das vezes da mesma forma ou semelhante que o chumbo anterior, por isso dá essa sensação que a arma só é precisa com esse tipo de chumbo, muitos tiveram o mesmo problema com a K1 V1 principalmente porque em alguns casos o magazine não ficava bem alinhado com o cano, mas aí entramos em outro "causo".

Se você carregar chumbo por chumbo (1 por procediemento) diretamente no cano, colocar o magazine, atirar, retirar o magazine, colocar o chumbo etc etc... com certeza o agrupamento ficaria ainda melhor, com outros chumbos também, pois ele já está no cano.

É um dos motivos de muitos atiradores não gostarem da HW57, pois o municiamento ocorre numa janela e é o ar que municia o cano, gerando situações diferentes e podendo influenciar a precisão, eu pessoalmente acho válido todo tipo de carabina e cada com um propósito.

Mas esse é um dos maiores motivos de ela não ter um agrupamento ainda melhor ou melhor com chumbos menores, não existe municiamento direto no cano.

Forte abraço meu caro.
  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Numa das primeira fotografias do post o tambor parece estar invertido ou encaixado ao contrário:

contrario.jpg.5778e90467f474bf844729584770acc1.jpg

Depois aparece normal:

normal.jpg.b544985b518bc52f7b6515b56c62abae.jpg

Ficou a curiosidade se o atirador pode vacilar e inverter a posição do tambor e o que acontece quando inverte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Comprei a minha na ventureshop numa promoção e saiu por R$ 5354,10 no boleto com combo de uma bomba manual (Sei que é loucura usar bomba por conta do tamanho do cilindro dela, mas é o que tem pra agora). Estou aguardando e assim que chegar posto aqui no fórum. Minhas distâncias de tiro serão no máximo 50 m, então acredito que irá servir para o propósito. O que me chamou atenção foi a potência e o sistema igual de revólver. Porém meu receio é que mais pra frente eu queira enfrentar desafios maiores e aumentar a distância. E pelo jeito isso seria um problema para esse modelo. Achei interessante a dica do amigo Raufemann Fritz e queria saber se nesse modelo é possível fazer esse municiamento direto no cano e se realmente iria resolver o problema de precisão a mais de 100 m, ou além disso o problema do gatilho pesado continuaria pesando mais na precisão? Como não conheço sobre o funcionamento dessas carabinas, seria possível, num futuro, modificar o gatilho para ficar mais leve ou nesse modelo específico, modificar o mecanismo seria complicado demais?

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Postado (editado)
Em 27/07/2018 em 12:21, Pincipi disse:

Numa das primeira fotografias do post o tambor parece estar invertido ou encaixado ao contrário:

contrario.jpg.5778e90467f474bf844729584770acc1.jpg

Depois aparece normal:

normal.jpg.b544985b518bc52f7b6515b56c62abae.jpg

Ficou a curiosidade se o atirador pode vacilar e inverter a posição do tambor e o que acontece quando inverte.

Acredito que, no mínimo, danifique o magazine, pois no fim dele é mais estreito. 

 

20180816_090839.jpg

Editado por edu_hunk
Mandei só a imagem sem comentar sobre ela.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×