Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 12/24/2019 in all areas

  1. 5 points
    Muitas pessoas tem comprado luneta direto da China devido à recente liberação e o padrão das encomendas lá geralmente começa por "ID" seguido de 14 números e terminado em "CN" Tipo assim ID12345678912345CN, ai a compra chega no Brasil e por algum motivo, nem sempre a alfandega consegue associar ao CPF do comprador, devolvendo a mercadoria ao remetente. Ocorre que aqui no Brasil o padrão são duas letras seguidas de nove números e duas letras, por exemplo AB123456789CD. A cultura deles é de 14 números e não 9 números como é aqui, muitos vendedores não informam o código aceito aqui no Brasil de 9 números, acabam mandando o código de 14 números que não é válido na pesquisa de nosso rastreamento. Para tentar resolver esta questão, existe um site, dentre outros, " track it ", https://pt.trackitonline.ru/ , que na pesquisa, mostram o outro código da encomenda com 9 números, que é o aceito no Brasil. Aonde está número do envio, digite o código informado. No pais de destino coloque Brasil e pule qual é o serviço, clicando no símbolo da lupa. Deixar de informar o pais de destino pode ser que acabem fazendo a pesquisa sem associar o código válido. Vai dar um resultado, por exemplo o código ID18135252479452CN deu isso: Geralmente abaixo da coluna adicional aparece o código aceito no Brasil UE634467297CN mas, neste caso, apareceu ao lado do símbolo ChinPost e dos Correios. Nem sempre aparece o código válido, depende do tipo de encomenda, como nesta aqui que não apareceu: Às vezes demora para que as informações apareçam no sistema, pode levar até mais de 15 dias ou um mês, sendo necessário pesquisar várias vezes antes de conseguir a informação desejada. Atualmente, as encomendas que chegam sem o CPF estão sendo devolvidas, não que realmente o vendedor deixou de colocar o CPF na etiqueta do pacote mas, pode ocorrer de apagar ou ficar ilegível, não só o CPF como os dados do comprador e código de barras. Como paliativo, os Correios ainda estão mandando cartas aos compradores informando da retenção na alfandega, embora que, por algum azar do destino, o interessado fique sem receber a carta, restando então a última esperança de vincular o código de rastreio ao CPF, pelo sistema ID Correios/Minhas Importações, informando o código válido, evitando a devolução.
  2. 2 points
    Tristeza grande ao receber a noticia... “É tão estranho, os bons morrem jovens...” Legião Urbana Que o Deus o tenha e conforte o coração da família, vá em paz amigão!!!! Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  3. 1 point
    Olá pessoal, Estava procurando uma carabina PCP para comprar e achei esta no patrocinador Mundo da Carabina. https://www.mundodacarabina.com.br/carabina-de-pressao-pcp-alpha-black-multishot-10-tiros-5-5mm Achei bem interessante para quem quer um bom custo benefício. È regulada, com side lever, com ajustes chega a 60 joules, usa magazine de Marauder e parece ter um cano bom. Ela é vendida também com ATI Nova Vista. Segue o link do youtube
  4. 1 point
    Última reforma de 2019, a carabina apresentava vários detalhes estéticos, merecendo então uma revitalização. Após desmontagem e fazendo inspeção para conhecimento do mecanismo percebi que seria possível fazer algumas melhorias, mesmo mantendo a bucha original e GR 60 Kg da Rossi que se encontravam em bom estado, sem desgastes ou erosões e sem vazamento (haste seca). Uma vez desmontada foi realizado limpeza com bombril e óleo Singer de toda parte oxidada, pois apresentava vários pontos de ferrugem superficial. Limpeza com WD40 do muzzle, interior do cano, câmara de compressão e pistão. Polimento e reoxidação do pequeno parafuso phillips da telha e polimento das corrediças da almofada da coronha. Reparação dos golpes da coronha utilizando ferro de passar e lixa 220, e seu envernizamento com stain Montana e Tru-Oil. Melhorias realizadas foram a substituição do pequeno amortecedor que apresentava deformação e descentralização de assentamento do GR, e da arruela calço com um diâmetro interno muito maior do que o pino da culatra permitindo dessa forma que esta se ajustasse dentro do cilindro independentemente, por duas buchas usadas uma azul da Gamo 68 e a outra amarelada da Norica DH, ambas foram ajustadas e trabalhadas para servirem de centralizador/amortecedor e calço/amortecedor, nessa carabina a Rossi instalou o GR invertido, ou seja, o cilindro fica alojado dentro do pistão, a haste possui um centralizador com um recorte em parte de um lado, esse detalhe permite que ele fique sobre o sistema de gatilho sem causar interferência. Usei também um clip, desses utilizados para fixação de painéis, para reforçar a coronha e fixar de maneira efetiva o parafuso do guarda-mato, pois esse não dava mais aperto, isso se deve a pouca espessura da coronha neste ponto. O sistema de gatilho foi todo desmontado, limpo e lubrificado com pasta G, a tecla foi polida com pasta e micro retífica pois havia perdido quase todo o tratamento que a deixava dourada. Uma vez montado todo o mecanismo fui armar e percebi que o o’ring o qual havia sido instalado novo encontrava-se enfiado dentro do cano e todo danificado. Diante desse problema e com a carabina totalmente montada, testei outro o’ring, esse mais estreito (acho que é usado em uma CBC) alojou perfeitamente gerando pequena pressão, e bem menor quando comparado com o anterior que era original, ao fechar totalmente câmara, só que este, nos testes de disparo, foi tragado pelo cilindro deslizante, foram necessários uns 6 disparos, municiando sempre a carabina, onde os chumbos saiam com pouca velocidade devido a obstrução do Transfer Port e aquele barulho abafado, até ser expulso e ficar alojado junto a grande porca de fixação do cano. Para resolver de vez este problema usei um o’ring utilizado em injeção de combustível de motores a gasolina, o mesmo que utilizei nas Rossi Dione, só que desta feita só face foi lixada com lixa 220, a que manteria contato permanente com a referida porca , reduzindo assim a espessura para 2,5 mm, este o'ring em seu estado original forçava muito o fechamento e dificultava a liberação da trava da alavanca de armar. Dessa maneira ficou até mais fácil de armar a carabina, pois essa vedação proporciona um leve efeito mola. Com essas melhorias a carabina ficou silenciosa e com muito pouco recuo, apesar do GR de 60 kg. Segue as fotos do antes e do depois.
  5. 1 point
  6. 1 point
    Pra mim é uma das coronhas mais bonitas que eu já vi. Pena que no momento não posso compra-la.
  7. 1 point
  8. 1 point
    Trabalho foi executado na carabina em seu estado original, adquirida por seu primeiro proprietário em 2013 segundo nota fiscal, ela encontrava-se mal cuidada, apresentando detalhes na massa de mira, onde a base estava muito riscada, possivelmente devido ao deslocamento por impactos no túnel de proteção desta seguido da recolocação forçada, e com dois de seus três anéis de fixação da fibra ótica faltando. Procedeu-se a desmontagem total da carabina (este modelo como os demais da marca necessita de um tubo com abertura para a retirada do sistema de gatilho), menos a alavanca de armar que usa pinos rebitados, seguida de uma limpeza profunda, utilizando bom-bril com óleo Singer para remoção das partes com oxidação superficial, WD 40 para limpeza interna de cilindro, cano e coronha. Polimento lateral da base da massa de mira e sua reoxidação a frio com Super Blue, ajuste do túnel de proteção com seu fechamento, e instalação de fibra ótica de uma mira danificada de uma Gamo Hunter, em seu terço final, rebitando-se um extremo da fibra com uma lâmina quente e colando a parte que ficaria solta com Trend Bond. O tão famigerado gatilho 515 da Norica foi polido e recebeu a instalação de dois insertes laterais para diminuição de seu curso, isso eu já havia feito em uma Spider e como o resultado foi bem satisfatório repeti a receita. A bucha original estava com uma erosão causada pelo efeito diesel, sendo substituída por outra original. Mantive o sistema de propulsão original onde sua mola foi retensionada, conforme postagem feita anteriormente. A coronha recebeu em seu espaço interno preenchimento total com uma mistura de argila de modelar misturada com cola a base de látex, a fim de deslocar o centro de equilíbrio da arma mais próximo do seu guarda mato. Remontada e devidamente lubrificada a carabina voltou ao seu estado quase que original, funcionando perfeitamente mas com mais suavidade, apesar da potência. Esse modelo de carabina como os demais da Norica é marcado pela simplicidade de soluções, robustez e qualidade nos materiais utilizados e pelo muito bom acabamento dado em todas as suas peças. Segue sequência de fotos.
  9. 1 point
    Registro o falecimento de nosso camarada Anderson Ymk "Mutley", vítima de AVC, um entre os melhores atiradores do Estado do Rio de Janeiro. Por sua ajuda por aqui, além da ideia de criarmos um tópico para forçar algumas de nossas empresas tupiniquins de chumbinhos a melhorarem a qualidade de seus produtos, trocamos nossas primeiras impressões. Assim, segue minha singela homenagem para ele, atualizando aos poucos as fotos que se perderam no tempo por conta do TinyPic. Que Deus te ilumine sempre, meu amigo.
  10. 1 point
    Anderson esteve presente em muitas comunidades de tiro esportivo, sempre compartilhando e acrescentando, seja nos clubes ou nos fóruns. Inclusive se não me engano integrou a moderação do CA e também a "bancada da manutenção e dos reviews". Quem teve a oportunidade de conhece-lo nessa saudosa época, lembrará de um cara com bastante conhecimento, iniciativa, paciência e cordialidade. R.I.P.
  11. 1 point
    Muito triste, uma ótima pessoa. Que papai do céu esteja com ele.
  12. 1 point
    Boa noite Srs, tomei a liberdade de compartilhar com vocês na íntegra um texto de autoria do Nelson L. de Faria sobre springers classe Magnum e precisão, afinal de contas essas belezinhas são totalmente incompreendidas na grande maioria das vezes. No texto que segue não tem uma única palavra minha, é um Ctrl+C / Ctrl+V direto da página no Nelson e pode ser conferida nesse link: https://www.facebook.com/Airgunner.br/posts/1885883481440384 SPRINGER MAGNUM E PRECISÃO Muitos comentam, talvez por desconhecimento ou por má interpretação, que carabinas de pressão por mola e pistão da classe Magnum não tem precisão. Não é verdade, pois existem várias springers dessa classe de potência que são bastante precisas. Mas, para que fique bem claro, precisamos explicar os seguintes pontos: Começamos esclarecendo o que são springers Magnum: Quanto à energia - a classificação Magnum é atribuída às armas de pressão por ação de mola e pistão que produzem energia maior do que 23 Joules (17 ft-lb) na boca do cano. Quanto à velocidade - para o calibre 4,5 mm, a velocidade aferida com chumbinhos de 7,7 grains (0,5 grama) está acima de 304 m/s (1000 fps); - para o calibre 5,5 mm, a velocidade aferida com chumbinhos de 15,43 grains (1,0 grama) está acima de 215 m/s (705 fps). Esclarecimentos quanto à precisão dessa classe de springers se fazem necessários principalmente quanto ao calibre 4,5 mm. Em função de a zona de turbulência para os projéteis estar acima de 90% da velocidade do som e este valor estar na faixa de velocidade mínima das springers Magnum calibre 4,5 mm com chumbinhos de 7,7 grains ou mais leves, é necessário que para este calibre se use sempre chumbinhos com peso maior do que 7,7 grains, sendo recomendados os de peso em torno de 10 grains, de modo a manter a velocidade abaixo de 305 m/s. Testes práticos com carabinas de mola e pistão (Springer) e também PCP comprovam que a melhor precisão das armas de pressão se obtém com velocidades abaixo de 290 m/s (950 fps). Portanto, springers Magnum são precisas quando a velocidade inicial do projétil permanece na faixa de velocidade abaixo de 305 m/s, sendo mais indicado não ultrapassar 290 m/s e a forma de obter isso é com o uso de chumbinhos de peso adequado. No entanto, existem outros fatores que interferem na precisão das carabinas de pressão Magnum, que é o excesso de potência, que no caso das springers não deve ultrapassar 35 Joules (26 ft-lb) para o calibre 5,5 mm e preferencialmente abaixo de 29 Joules (21 ft-lb) para o calibre 4,5 mm. Então, o primeiro passo ao escolher uma carabina de pressão Springer Magnum é evitar as que produzem velocidade e energia demasiadamente altas. Porém, existe também o fator chamado 'acuidade' que se refere ao controle da arma pelo Atirador, ou seja, o fator humano, pois, quanto maior for o recuo da arma, mais difícil será o seu controle. Em muitos casos é este fato que leva muitos a dizerem que Springer potente não é precisa. Outro ponto importante a ser avaliado é a engenharia da arma, visto que existem armas de mesma potência com recuos muito mais fortes e que além de prejudicarem os tiros, danificam lunetas e outros tipos de miras óticas. Uma observação quanto ao recuo é que ele é mais forte nas armas calibre 4,5 mm. O recuo excessivo ocorre sempre em armas com cilindros mais longos e com molas muito fortes e nesses casos a precisão pode ser prejudicada devido ao ponto que o chumbinho inicia o seu movimento no cano, devido à taxa de compressão. Além disso, algumas são tão extremas que o esforço para engatilhar é muito grande e, na minha opinião essas devem ser evitadas. Como ponto positivo, "Springers Magnum de qualidade" se destinam a tiros nos alcances acima de 50 metros sem necessitarem muita compensação da visada e os chumbinhos desviam menos em função do vento. Concluindo, a qualidade é fundamental e no caso das springers Magnum é imprescindível e as de alta qualidade agrupam 2 MOA e não danificam miras óticas. Atire para acertar! Nelson L. De Faria Gostaria também de recomendar as duas publicações do mesmo autor, ambas muito didáticas e ilustrativas sobre as carabinas de pressão e podem ser adquiridas com o próprio através de sua página no facebook. Forte abraço gurizada!!
  13. 1 point
    Esta postagem é para divulgar o modelo de carabina que foi a porta de entrada para muito dos aficionados por armas de pressão na infância/adolescência e suas diferenças, mesmo que sutis, ao longo dos anos promovidas pela indústria Amadeo Rossi. Como dito acima, iniciei no mundo do ar comprimido nos anos 70 e tomei gosto literalmente por amassar chumbo mais precisamente em 1970 quando comprei minha primeira carabina aos 13 anos, em companhia de um adulto para concretizar minha compra, numa loja chamada Trabuco, que ficava em frente ao Mercado da Lapa/SP. Com ela atirei em tudo em que um moleque pensa em acertar, nunca fui muito bom em pontaria, mas dava para me divertir muito, enchia a boca de chumbinho e saía atirando. Esse problema precisão só fui contornar muitos anos mais tarde ao descobrir que meu olho dominante é o esquerdo. Bem .... essa carabina não teve vida muito longa, o motivo é que o “gênio aqui” resolveu transformá-la de ar comprimido para arma de fogo, simplesmente colocando dois chumbinhos intercalados com pólvora de bombinha, aquela fininha bem explosiva, acho que a uma distância de 2,0 cm entre a ponta do primeiro e a saia do último. Foram dois disparos com uma língua de fogo de um palmo de comprimento, muita emoção, barulho e nada mais.... Na época desmontei, troquei mola, pintei a carabina com Color-Jet, mas como não entendia da mecânica dela ficou por isso mesmo. Aos 16 anos comprei a segunda Rossi Dione, isso em 1973, desta vez fui sozinho à mesma loja, com ela embrulhada e debaixo do braço, voltei de ônibus para casa feliz da vida com a nova aquisição. Atirando com ela deu para perceber algumas alterações, potência um pouco menor que a anterior, e sistema de miras, gostava mais da anterior. Alguns anos se passaram e meu interesse passou a ser por armas de fogo, até que em 1986 comprei a Gamo 68 que tenho até hoje, carabina muito precisa, em 2015 depois de muitos anos guardada fiz uma customização nela, e a partir desse momento o gosto por carabinas de pressão só foi aumentando, assim como conhecimento técnico através de muita leitura e aprendizagem com vídeos de várias partes do mundo, proporcionando-me confiança para poder restaurar e reformar várias marcas/modelos. Quando trabalhamos com carabinas com mais de 40 anos devemos estar abertos a ideias e soluções para tornar armas sucateadas e inativas em operacionais, e são estas ideais e soluções que venho apresentar e que poderão ser aperfeiçoadas com mais habilidade e equipamentos melhores, na sequência fotos e suas peculiaridades de acordo com o ano de fabricação. São 6 carabinas Rossi Dione modelo 17, sendo 5 de minha propriedade, compradas nos últimos 2 anos, e uma de meu cunhado, 2 fabricadas nos anos 60, 3 da década de 70 e 1 de 1980. Na sequência de fotos segue da mais antiga (achômetro - mais detalhes na usinagem e qualidade de acabamento) para a mais nova, onde já aparece estampado no bloco o mês e ano de fabricação (em um site de vendas consegui uma com a data mais antiga estampada, VII 79). A terceira da sequência em que aparece a alça de mira em alumínio é a de meu cunhado, o ano deve ser de 1973 (memórias da minha segunda). Com relação ao acabamento das partes mecânicas foram dois tipos, oxidação a quente e fosfatização. A quarta da sequência foi a primeira a ser adquirida em dezembro de 2017, na verdade uma troca e por isso ela tem o nome de Wii, ela deve ser do ano 1975, foi a que deu mais trabalho, tanto é que ficou pronta em outubro do ano passado. O primeiro acabamento dela foi em pintura na cor prata para alta temperatura, e uma vez terminada quando fui armar a sapata da biela estava desgastada e eu andei dando mais um polimento, diminuindo assim mais o tamanho o que resultou na passagem por cima do pistão, não teve jeito foi necessário cortar a sapata com uma micro retífica, ficando dessa forma aguardando solução por um longo período, foi quando comprei a mais antiga e juntamente com a de meu cunhado iniciei a reforma das três, estas receberam como tratamento a fosfatização após tentativa frustrada de uma oxidação aquente. A próxima eu já havia postado com o tema de como se recuperar mola helicoidal cansada, ela deve ser do ano 1978/79, já aparece com o pistão usando um o'ring na extremidade e apresenta a massa de mira no formato de barbatana de tubarão, essa passou pela roca de o'rings (da vedação do cano que está alojado em volta da transfer port ) cilindro, do pistão e refeito o acabamento da coronha com Tru-Oil. A segunda mais velha e última a ser adquirida está em processo de restauração, depois de desmontada pode-se verificar que ela não foi muito usada, pouco desgaste aparente nas peças, mas foi muito mal cuidada e guardada, ela é a segunda da lista onde refiz parte da alça de mira e o contra parafuso do eixo de rotação, este também usado em elétrica, de aço e com cabeça arredondada, muito parecido ao original, o que chamou a atenção nesta carabina é que no bloco do cano, lado esquerdo tem impresso a letra B como também que ela utiliza parafuso na fixação da bucha e não um pino e contra pino como nas dos anos 73 3 75, ela nunca havia sido aberta e foi bem dificultoso retirar a tampa do cilindro sem danificá-la. A coronha já está pronta e toda aparte metálica será preparada para passar pela oxidação a quente. Assim que estiver pronta postarei as fotos. Espero que estas informações sejam úteis aos aficionados pelas antigas "Rossinhas".
  14. 1 point
    Pessoal, após assistir alguns vídeos no Youtube sobre como instalar mola a gás na carabina CBC B12 e assemelhadas, decidi elaborar este tópico. Em linhas gerais, a instalação de mola a gás na carabina B12, exige as seguintes modificações: - substituição do êmbolo original, por um êmbolo retificado da B19 ou um da linha Gamo (Big Cat, CFR, CFX); - substituição da caixa de gatilho original por caixa de gatilho da B19 ou caixa de gatilho Gamo ATS/SAT de modo que permita o engatilhamento do êmbolo da linha B19 / Gamo; - retificação (recorte) no cilindro da carabina para compatibilizar o cilindro com uma das caixas de gatilho acima citadas. Algumas instalações exigem trabalho de solda do parafuso da coronha (peça B12-00-8 código CBC 10006428) no cilindro da carabina; - modificação na coronha original para que o conjunto caixa de gatilho / cilindro possa ser encaixada e aparafusada adequadamente ou substituição da coronha por uma existente no mercado de reposição e os ajustes para necessários. O ideal seria confeccionar uma nova coronha customizada . De antemão, descartei a opção que exige qualquer trabalho de solda, pois não tenho equipamento adequado para tal. Neste tutorial, utilizamos as seguintes peças e ferramentas de fácil acesso. Peças utilizadas - conjunto mecânico da carabina CBC B12-6 4,5mm (na realidade comprei um novo cilindro para elaborar este tutorial); - detente do cano CBC B12 (Código CBC 10006415) - item necessário pois utilizei um cilindro de reposição - êmbolo da Gamo Big Cat; - retentor Quickshot para Gamo - molas a gás Quickshot MG182, MG230 ou MG260; - caixa de gatilho Gamo SAT (lâmina cinza) ou Gamo ATS (lâmina preta); - lâmina de gatilho Quickshot para Gamo ATS MK2 dois estágios; - coronha de madeira da carabina Fiora; - porca garra M6 - guarda mato da carabina CBC GII (Código CBC 10000025); - parafuso dianteiro do guarda mato CBC GII (Código CBC 10000045); - parafuso traseiro da coronha CBC GII (Código CBC 10000165). Ferramentas utilizadas - torno de bancada (morsa); - Dremel SAW-MAX com disco de corte DSM510; - óculos de segurança; - lima chata mursa; - lima quadrada bastarda 6’; - arco de serra e serra para metal (Starret bimetal unique BS1232); - lixa d’água 400 e 1200; - furadeira manual elétrica; - broca chata 19mm ou ¾’; - brocas diversas para madeira 2 a 6,5mm; - formão ¼’ ‘e ½’; - grosa meia cana; - lixa para madeira 120 e 180; - rolo de fita crepe ou de fita isolante para demarcação das linhas de corte no êmbolo e no cilindro; - durepoxi Êmbolo Gamo utilizado Peso original - 142 gramas Medidas da Janela de Engatilhamento Original Usei a opção de recortar o êmbolo original no lado oposto da janela de engatilhamento. Para tal, efetuei marcação com a fita crepe, a partir da Linha de Centro (LC), 4,5mm para cada lado, assim a diferença pode ser ajustada através do uso de lima. Lado Original (oposto às marcações) O mesmo procedimento de marcação com fita crepe foi utilizado para o recorte da janela de engatilhamento, aqui usei o arco de serra manual (corte ortogonal e corte a 45 graus) e depois ajuste final com o uso da borda da lima mursa. Medidas finais do êmbolo retificado Abertura guia da sapata da alavanca de armar - 54,5mm Janela de engatilhamento Peso do êmbolo retificado – 132 gramas (o êmbolo original da CBC B12 pesa mais de 200 gramas devido a existência do pino central de engatilhamento) Nota do autor: após a retífica, o êmbolo foi polido com lixa d'água 2000 Peso do retentor Quickshot (aproximadamente 2 gramas) Peso do Êmbolo Original da CBC B12 sem retentor - 203 gramas Cilindro CBC B12 para instalação de caxia de gatilho Gamo SAT/ATS Medidas do recorte do cilindro O mesmo procedimento de marcação com fita crepe foi utilizado para o recorte do cilindro com o disco de corte e ajuste final com o uso da borda da lima bastarda e da lima mursa. Cilindro retificado Caixa de gatilho SAT com Lâmina Quickshot MK2 (dois estágios) Cilindro B12 retificado e com caixa de gatilho SAT Nota do autor: optei por não aumentar o diâmetro do furo de passagem do pino trava da caixa de gatilho, para manter a opção do uso do êmbolo e a caixa de gatilho originais (engatilhamento através do guia de mola do êmbolo original) Cilindro B12 retificado e com caixa de gatilho original Diâmetro do pino trava Cilindro B12 (5mm) versus diâmetro do furo da Caixa de Gatilho SAT Pino da Caixa de Gatilho SAT com furo para o pino trava original da B12 confeccionado com pedaço de guia de mola (polímero) Caixa de Gatilho SAT com pino trava original da B12 Molas a gás MG230 (45 kgf) e MG260 (30kgf) Pré compressão MG230 – 39mm Pré compressão MG 260 – 69mm Deslocamento do êmbolo da Gamo na carabina B12 Deslocamento do êmbolo - 48mm Volume da câmara de compressão da CBC B12 com êmbolo Gamo (alongado) V = [(Pi x D2) /4] x deslocamento do êmbolo D = 2,5 cm deslocamento do êmbolo = 4,8cm V = 23,6 cm3 89% do volume original Volume da câmara de compressão da CBC B12 com êmbolo Original V = [(Pi x D2) /4] x deslocamento do êmbolo D = 2,5 cm deslocamento do êmbolo = 5,4cm V = 26,5 cm3 Mais detalhes podem ser vistos no tópico abaixo: Ajuste da coronha Fiora Considero esta a parte mais complicada, pois não tenho prática no uso de formão, mas o resultado foi digamos satisfatório. Aqui não tem medidas, é desbastar, testar o encaixe e assim sucessivamente até conseguir o resultado desejado. Resultado Final Peso da carabina - 2756 gramas Vista lateral do guarda mato Nota do autor: com a lâmina original SAT, não é possível disparar a carabina pois a lâmina SAT/ATS devido a sua curvatura mais acentuada, encosta no guarda mato e não atinge o curso necessário ao disparo. Vista inferior do guarda mato Vista inferior da coronha Parafuso lateral de fixação da coronha (os furos originais foram fechados com durepóxi) Nota do autor: os furos para a fixação lateral da coronha só devem ser feitos após todos os outros ajustes da coronha serem realizados. As marcações da posição destes furos foram feitas com a mecânica da carabina parafusada na coronha pelo parafuso traseiro (guarda mato). Cano "quebrado" Carabina engatilhada Ângulo do cano com a carabina engatilhada Ângulo de 75 graus Vista superior da culatra (aqui ficou meia boca) Vista lateral da culatra Tampa "provisória" ?! de fechamento da culatra Talvez a tampa da culatra da Rossi Dione antiga (Rossinha) dê certo. Diâmetro do cilindro da Rossi Dione anos 60/70 - 29,05mm Tampa da culatra da Rossi Dione 60/70 Não vale a pena, teria que cortar a tampa (relíquia) para passar a caixa de gatilho, somente por questão de estética . Diâmetro externo do cilindro da carabina B12 - 30 mm Coronha vista superior Para prover maior resistência mecânica, instalei uma porca garra M6 É necessário retirar os fios de rosca com o uso de uma broca de aço rápido 6 mm Porca Garra M6 na Coronha - Vista Superior Porca Garra M6 na Coronha - Vista Inferior Nota do autor: analisando o resultado, para quem tem mãos grandes, o ideal é avançar o conjunto mecânico (tem espaço de sobra) e confeccionar um calço para suportar a caixa de gatilho. Não haveria necessidade de furar o "pistol grip" da coronha Assim, facilita sobremaneira adaptar uma tampa no cilindro da carabina Tampa da Culatra da Carabina QGK Black Diamond Devido a tampa da caixa de gatilho ATS/SAT, o encaixe não é perfeito É necessário efetuar um pequeno recorte Resultado Final Vista inferior Vista lateral esquerda Vista superior ( a tampa não interfere com o trilho) Chrony Test Molas a Gás Quickshot MG 230 e MG260 Nota do autor: optamos por não amputar as hastes das molas a gás o que inutilizaria as molas para uso nas carabinas para as quais elas foram projetadas (MG230 AR+ B3-3 e similares e MG260 Gamo Big Cat 1000 e outras com gatilho ATS/SAT) Chumbos Rifle Round e Flathead Chrony Test mola a Gás Quickshot MG230 45 kgf Chrony Test mola a Gás Quickshot MG260 30 kgf Chrony Test mola a Gás Quickshot MG260 35 kgf Chrony Test mola a Gás Quickshot MG260 40 kgf Chrony Test mola a Gás Quickshot MG260 45 kgf Quadro Resumo B12 com Molas a Gás Quickshot MG260 e MG230 Instalação de Mola a Gás Quickshot MG182 40 kgf É necessário aumentar o "comprimento" da mola a gás MG182 para possibilitar a pré compressão. Para tal utilizaremos um calço provisório de tubo de PVC soldável (20 mm) com comprimento de 20 mm e uma moeda de 10 centavos dourada. Posição do calço de PVC e da moeda em relação a arruela centralizadora da haste da mola a gás Mola a Gás Quickshot MG182 - Pré compressão 10 mm Mola a gás Quickshot MG182 com a carabina B12 engatilhada Chrony Test mola a Gás Quickshot MG182 40 kgf CBC B12 com gatilho SAT, êmbolo Gamo Big Cat 1000 e Mola de Ação do Êmbolo B12-00-2 (Código CBC 10006402) Conjunto do Gatilho SAT com Guia de Mola Helicoidal Mola Helicoidal CBC B12 (peça de reposição - zero bala) Comprimento 190mm Conjunto Caixa Gatilho e Mola Helicoidal Pré compressão da Mola Helicoidal - 21mm Chrony Test CBC B12 com gatilho SAT, êmbolo Gamo Big Cat 1000 e Mola Helicoidal Chrony Test MHO com pré compressão de 21 mm MHO com pré compressão de 33 mm Espessura da moeda 10 centavos - 2 mm Calço 10 mm Pré compressão da Mola Helicoidal - 33 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 33 mm MHO com pré compressão de 38 mm Calço 15 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 38 mm Nota do autor: os valores de pré compressão acima são incorretos pois não levei em consideração o encolhimento da MHO (190 mm) zero bala. Após o teste com o calço de 35 mm, efetuei a medição do comprimento da MHO e resultou em 182 mm. Comprimento da MHO após teste com calço de 182 mm Devido a inexistência do pino central no êmbolo e do seu maior diâmetro interno (êmbolo Gamo Big Cat 1000), ocorre flambagem permanente da MH mais acentuada com este êmbolo o que também contribui no "encolhimento" da MH. Flambagem da MHO Optei então por "forçar o encolhimento e a flambagem" da MHO Calço de 30 mm + moeda 10 centavos (2 mm) Pré compressão inicial - 46 mm Manter a carabina B12 engatilhada por aproximadamente 30 minutos. Na foto abaixo é visível a flambagem da mola dentro do êmbolo. Pré compressão da MHO após 33 minutos engatilhada - 37 mm Comprimento da MHO "encolhida" Comprimento da MHO "encolhida" - 172 mm (90,5% do comprimento original) Chrony Test MHO "pré encolhida" Chrony Test MHO com pré compressão de 16 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 21 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 26 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 31 mm Chrony Test MHO com pré compressão de 37 mm Quadro Resumo MHOPE e MG182 40 kgf - Pré compressão versus Velocidade Link do Tópico Tutorial – Instalação de Mola a Gás na carabina CBC B12 - Gatilho B19 Tópico concluído
  15. 1 point
    Recebi esta MP e como de praxe, não respondo dúvidas via MP e sim através de tópicos,. Pode soar como "má vontade ou arrogância de minha parte" mas faço isto justamente para compartilhar dúvidas, soluções, etc e tal com todos os participantes do CA visando a troca de conhecimento. Vamos às dúvidas: 1 ) "Eu tenho uma B12 e o ponto fraco dela como você sabe é o gatilho. Eu gostaria de manter ela com mola, porém trocar o gatilho para o da B19 ou Gamo Vi alguns tópicos seu, mas não conseguir perceber se é possível isso, pois sempre você está trabalhando com gas ram." Resposta: recomendo da leitura do post inicial deste tópico até o seu final pois há fotos e teste em cronógrafo com gatilho SAT/ATS e mola helicoidal. Como são êmbolos "alongados", a diminuição do volume da câmara de compressão influencia sobremaneira na energia. 2) " Tem como usar algum êmbolo que seja só fazer a troca e a instalação do gatilho? Ou todos os êmbolos tem que mexer?" Resposta: é do meu conhecimento apenas dois êmbolos customizados por seus respectivos fabricantes para uso na CBC B-12 a saber: Elite Airguns (vendido somente Kit completo na ocasião em que efetuei a compra - não sei se ainda está disponível) e Dematek Airguns (Êmbolo Alongado - comprado no ML porém não encontrei retentores compatíveis com este êmbolo). Como ambos são êmbolos rotativos, cujo diâmetro interno é menor que o original, não é possível o uso de mola helicoidal original , talvez a mola helicoidal da CBC Jade Mais entre dentro destes embolos. É isso, e espero que tenha entendido a razão pela qual optei por não responder dúvidas através de MP.
  16. 1 point
    Ola, Carabina de mola exige empunhadura correta para fazer agrupamento, nem sempre apenas apoiar vai te dar o resultado. Recomendo pesquisar pelo termo "artillery hold" e refazer os testes com os mesmos chumbos. Aconteceu apenas uma vez comigo de precisar testar mais de 10 tipos de chumbo para achar o certo, em geral, com 4 ou 5, sendo algum deles JSB ja deu certo. Tente refazer os grupos tambem sem luneta, pode ser algum dano na peça. Se tiver acesso a cronografo, repasse alguns chumbos por ele e veja a diferença maxima e minima entre as velocidades obtidas. Se algum der por volta ou ate abaixo de 20 FPS deve ser o chumbo certo para sua arma. Enfim, sao varias coisas mesmo, precisao com carabina de mola ou gas ram exige um pouco mais do atirador mas o processo faz parte da diversão!
  17. 1 point
    Pois é Eduardo, me lembro como se fosse hoje a maravilhosa sensação que senti ao pegar na mão pela primeira vez e empunhar minha hw, pensei assim, que carabina magnifica, possui uma robustez incrível e um excelente acabamento, confesso que o BR (modalidade que mais me agrada no esporte) foi o fator decisivo para que todo este encantamento tenha cido posto de lado e migrar todos os elogios para a CFX 4.5.....No geral as HW são um luxo de carabinas!!!!!
  18. 1 point
    Primeiro vídeo de 2020 bora pra diversão!!!!
  19. 1 point
    Um pouco antes da virada do ano de 2019, tentei achar algo que servisse como bucha do parafuso das lentes móveis, no olhômetro parecia que a parte plástica da carga de uma caneta serviria: Da esquerda para a direita a bucha original rasgada, seguida pela destacada em vermelho, bucha feita com um corte no plástico da carga de caneta, seguido pelo parafuso com bucha original e o parafuso sem a bucha. Entrou apertado e infelizmente na hora de encaixar no trilho ou cavado, ficou mais largo alguns décimos de milímetro: Eu poderia alargar o alumínio, o que parece não ser uma boa ideia pois, com certeza não ficaria com bom acabamento e o atrito com a superfície irregular iria estragar rapidamente o plástico adaptado. Estou estudando uma forma de lixar este trilho, removendo rebarbas do acabamento que no atrito estragam a bucha. Essa gambiarra bateu na trave, procurei outras cargas de caneta diferente e achei uma que externamente encaixa certinho no vão mas, o furo interno é fino demais e não tem como introduzir o parafuso nele. Quem sabe dando uma aquecida... ...fica para o ano que vem!
  20. 1 point
    Talvez o gatilho tenha sido pressionado acidentalmente durante o carregamento da munição. Como a mola dessa arma é muito forte, pode ter avariado o sistema de engatilhamento e travamento. De qualquer modo, esse evento não deveria acontecer. Pelo seu relato, a arma é recém adquirida, então sugiro reclamar a garantia, pois para inspecionar e corrigir a causa será necessário desmontar a arma, e nesse caso perdendo a garantia, se feita pelo usuário.
  21. 1 point
    Minha luneta comprada no Aliexpress atualizou hj o rastreio, passou na fiscalização alfandegária sem ser tributada, está liberada para o pagamento do despacho postal de 15,00.
  22. 1 point
    Obrigado! Mais grato eu com as dicas dos usuários.
  23. 1 point
    De volta ao tiro. Fiz as 2 últimas provas do Tiro Virtual no CMTE de Deodoro. Na última consegui uma medalha de 2o. lugar nos 25 metros apoiado usando aquela CF30 que você mexeu lá em casa em 2013, agora com uma Luneta Tasco Varmit de 10x42. Foram 192 pontos dos 200 possiveis. Perdi para um "garoto" que fez 195 pontos e atirou com uma cfx igt apoiada num conjunto rest da caldwell. Fiquei radiante com o resultado já que foi record pessoal, com um alvo de 50 pontos e outro de 49. Depois de quase 3 anos por conta de problemas de saúde foi uma vitória, prá não dizer um milagre.
  24. 1 point
    Boa noite pessoal Depois de 5 anos sem postar nada voltei para terminar minha at44 com cilindro 500 Acontece que o cilindro não ficou alinhado com o cano ao instalar a conexão z As ATs não foram feitas para ter cano flutuante como todos sabem O bloco é separado diferente por exemplo das theoben que é ensinada em um bloco só O cano estava torto em relação ao cilindro e também muito flexível aí resolvi fazer uma extensão do bloco tudo em casa eu meu torno caseiro Ficou parecido com um mount e será colado com cola epóxi ou outra mais eficiente Se o cano flutuante não ficar preciso terei que por fixo no cilindro porém não gosto pois o stress do enche e esvazia muda o ponto de impacto Pessoal Valorizem os profissionais armeiros por que isso dá Trabalho e isso toma muito tempo Em breve review de um compressor Young heng com alguns ajustes e dicas valiosas Abraço
  25. 1 point
    Então vou ajudar. Melhor custo x benefício atualmente de PCP que dá conta dos 100 metros bonito ... Hatsan Flash.
  26. 1 point
    Agora à pouco começou a vazar ar, exatamente no local indicado pela seta vermelha: Passei um pano para limpar e ficou evidente que a borracha ou o anel de vedação escapou com a pressão: Percebi que a rosca estava em pouco solta, podia ser desrrosqueada com a mão: Deu para ver que o anel não estragou, limpei as partes: Confirmado que estava tudo certo, lubrifiquei com algumas gotas de óleo de silicone (Silicone líquido para esteiras densidade 200), porque é o que estava à mão, depois rosqueei de volta e dei aperto com a chave da bomba: Apoiei as manoplas sob os pés e forcei um quarto de volta. Tempo total do reparo 3 minutos, Só para constar, estimativa de 10.248 bombadas desde a compra e o surgimento do primeiro problema, anotados em prancheta de uso. Lição aprendida, verificar os apertos das peças da bomba a cada 10 mil bombadas. Tinha previsto uma desmontagem completa com limpeza aos três meses ou às dez mil bombadas, o que ocorresse primeiro porém, estou adiando porque esta operação vai atrasar outro projeto (encher cilindro de 7,6 litros).
  27. 1 point
  28. 1 point
    http://pt-br.tinypic.com/r/2s10pom/9 http://pt-br.tinypic.com/r/1zokkk0/9 http://pt-br.tinypic.com/r/s0zn6g/9 As informações básicas de fábrica da Crosman MTR77NP são: Velocidade: 1.200 fps (O que corresponde a +/- E = 23,4 Joules) O NP após o "77" significa "Nitro Piston" (Equivalente a brazuca CBC Nitro X) O "carregador" é enfeite e serve para armazenar chumbinhos ou, no meu caso, a chave Hallen. Desde o final de 2012 comecei a namorar virtualmente essa danada nas Pyramyds Air da vida. Naquela época o Airsoft ainda engatinhava e imaginava este brinquedinho como o mais próximo que conseguiria me aproximar de uma réplica de um M16. A "M4 pump" da Crosman, apesar de lançada lá pelos States pouco tempo depois, rapidamente entrou em nosso Mercado. Cheguei até a atirar em uma em meados de 2014, numa das etapas da Academia do Tiro mas não gostei nem um pouquinho do sistema pump. Assisti, inclusive, este Kamarada que me emprestou fazer sua prova de Papel 10 mts com ela e ao seu final estava com 10 palmos de língua prá fora, tal o cansaço decorrente das 6 "pumpadas" por tiro durante os 20 minutos de prova. Em novembro de 2014 nosso "irmão de armas" Alberto José, aqui do CA, lançou um tópico ilustrando os primeiros detalhes da dita cuja em "Terras Brazilis": http://carabinasdear.com.br/caforum/index.php/topic/10632-crosman-mtr-77-45mm-nitro-piston-novidade-na-dispropil/ No início de dezembro de 2014 peguei um pouquin' do 13° salário (exatos R$ 1.419,00) e transformei meu namoro em casório, comprando uma num lançamento da Dispropil com frete grátis. Em 18/12/14 ela chegou e dois dias depois, num sábado, fiz os primeiros testes... E tive as primeiras impressões ruins. Estas impressões foram registradas no tópico citado anteriormente onde ficaram algumas questões a serem resolvidas, colocadas por mim no dia 19/01/2015 e que eram: 1 - Descobrir como desmontar o M16. Espero encontrar uma Gamo Hunter por baixo da carapaça de plástico que a envolve...; 2 - Tentar mexer no gatilho prá eliminar o 1° estágio looongo; 3 - Montar uma Mira Aberta decente; 4 - Dar uma guaribada no GR. A coisa está dura para armar... ; 5 - Descobrir qual o chumbo bom prá Ele, o "M16" (rs) ; E, finalmente, 642 dias após um longo jejum, cá estou de volta e descobriremos juntos, num passo a passo, os mistérios que cercam a MTR77. Para dar um certo clima de mistério, farei as abordagens por etapas, iguais as que o Kamarada Alberto José fez em seu tópico de "autópsia" em 2 CBC Jades, que me inspirou a escrever este review da Crosman. Sem mais delongas, vamos nós: Item 1 - Como desmontar A dica partiu de um link de meu amigo TPERETTI666 esta semana: No tópico do Alberto José sobre a Crosman havia comentado em "retirar 15 parafusos". Qual o quê, são 24 parafusos! http://pt-br.tinypic.com/r/4twl5z/9 22 deles saem com facilidade usando chave phillips mas os 2 mais grossos da foto com chave Hallen. Os parafusos mais compridos, da soleira, também devem ser retirados. Retirada a carcaça de plástico, o que encontrei por baixo foi uma.... http://pt-br.tinypic.com/r/6i43gl/9 Daisy ??? .... kkkkk (FIM da 1a. parte)
  29. 1 point
    A rigor, não se trata de êmbolo mais pesado da Linha Pro Heavy específico para a CBC GII, e sim de êmbolo aliviado alongado cujo objetivo principal é reduzir o "lock time". Isto implica em menor volume da câmara de compressão devido ao menor curso do êmbolo. O êmbolo original da CBC B19S tem 187 gramas Hoje, 26/10/2016 R$2070,00. Putz ! https://dispropil.com.br/produtos/carabina-de-pressao-crosman-mtr-77-nitro-piston Pelas especificações, devido ao comprimento da câmara (150mm Body), parece que ser uma mola a gás de 270mm com a haste amputada em 10mm (110mm shaft lenght). No caso do Kit PROFESSIONAL QUICKshot a MG270 talvez nem precise diminuir o comprimento da haste devido ao furo centralizador existente no êmbolo.
  30. 1 point
    Rodrigo,precisão é muito subjetivo,cada tipo de tiro tem pontos divergentes. Tem carabinas que apoiada coloca um chumbo dentro do outro e sem apoio é ruim de acertar o alvo, por vários motivos. Se for tiro apoiado e conseguir acertar uma moeda de R$ 0,10 centavos a 40 mts,eu classificaria essa carabina de precisa. Mas se for tiros no campo é conseguir o objetivo,também pode -se dizer que a arma tem boa precisão. Sua cfx tem boa precisão, pelos videos que eu vi,mas tem atirador que é mais exigente,dai o motivo de pagar valores acima de R$ 10,000,00 de uma arma que fecha pouca coisa mais, que outra com valor bem menor. Por esse motivo que eu disse que é muito subjetivo. Para certos atiradores o alvo tem que ficar com um furo só,essa é a referencia que ele quer para a sua arma.
  31. 1 point
    Em um determinado país foi criado um programa de incentivo à natalidade,pois o número de habitantes estava caindo e a proporção de idosos crescia assustadoramente. Necessitando de mão-de-obra, o governo decretou uma lei que obrigava os casais a terem um certo número de filhos. Previa também uma tolerância de cinco anos após o casamento, no fim dos quais, o casal deveria ter pelo menos um pimpolho. Aos casais que no fim do prazo não conseguissem ter um filho, o governo destacaria um agente auxiliar para que a criança fosse gerada. Neste cenário se deu o seguinte diálogo entre um Casal: MULHER: Querido, completamos hoje 5 anos de casamento! MARIDO: É... e infelizmente não tivemos nenhum filho. MULHER: Será que eles vão mandar o tal agente? MARIDO: Não sei... talvez mandem. MULHER: E se ele vier? MARIDO: Bem, eu não posso fazer nada. MULHER: E eu, menos ainda... MARIDO: Vou sair, já estou atrasado para o trabalho. Logo após a saída do MARIDO, bateram à porta. A MULHER abriu e encontrou um HOMEM de boa aparência à espera. Tratava-se de um fotógrafo que saiu para atender um chamado de uma família que queria fotografar sua criança recém-nascida, mas que por um engano, errara o endereço procurado e o diálogo se seguiu: HOMEM: Bom dia! Eu sou... MULHER: Ah, já sei! Pode entrar. HOMEM: Obrigado. Seu esposo está em casa? MULHER: Não. Ele foi trabalhar. HOMEM: Presumo que esteja a par. MULHER: Sim, ele já está sabendo de tudo. Eu também concordo. HOMEM: Ótimo. Então vamos começar. MULHER: Mas já? Tão rápido... HOMEM: Preciso ser breve, pois tenho ainda 16 casas para visitar. MULHER: Minha nossa! O senhor agüenta? HOMEM: O segredo é que eu gosto do meu trabalho, me dá muito prazer! MULHER: Então vamos começar. Como faremos? HOMEM: Permita-me sugerir: uma no quarto, duas no tapete, duas no sofá. MULHER: Serão necessárias tantas? HOMEM: Bem, talvez possamos acertar na mosca já na primeira tentativa. MULHER: O senhor já visitou alguma casa neste bairro? HOMEM: Não, mas tenho comigo algumas amostras do meu trabalho mostrou algumas fotos de crianças). Não são lindas?? MULHER: Como são belos estes bebês! Foi o senhor mesmo quem fez? HOMEM: Sim. Veja esta aqui, por exemplo, foi conseguida na porta do supermercado. MULHER: Que horror! O senhor não acha muito público? HOMEM: Sim, mas a mãe queria muita publicidade. MULHER: Eu não teria coragem!!! HOMEM: Esta aqui foi em cima do ônibus. MULHER: Cacilda!!! HOMEM: Foi um dos serviços mais difíceis que já fiz. MULHER: Claro, eu imagino! HOMEM: Esta foi feita no inverno, em um parque de diversões. MULHER: Credo! Como o senhor conseguiu? Não sentiu frio? HOMEM: Não foi fácil! Como se não bastasse a neve caindo, tinha uma multidão em volta. Quase não consegui acabar. MULHER: Ainda bem que sou discreta, e não quero ninguém nos olhando. HOMEM: Ótimo, eu também prefiro assim. Agora, se me dá licença, eu preciso armar o tripé. MULHER: Tripé?!!! HOMEM: Sim madame, pois o negócio, além de pesado, depois de armado mede quase um metro. A MULHER desmaiou.........
































Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear



×
×
  • Create New...

Maxima.jpg