Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Martial

Members
  • Content Count

    21
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

1 Neutro

About Martial

  • Rank
    Ponta Firme
  • Birthday 11/11/1946
  • Age 72

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Sua Localidade
    JPA - Rio de Janeiro
  • Interesses
    Caça, pesca, camping.
  • Age 72
  1. Acho que varia de arma para arma, embora eu ache que cano limpo é sempre melhor. Realmente após limpesa é necessário se dar de 20 a 30 tiros para que os grupamentos sejam bons. Acho que em função de resíduos de óleo que ficam no cano fazem a VO subir, e assim pioram um pouco os agrupamentos. A AirArms até bem pouco tempo só recomendava em seu manual a limpesa do cano quando se tivesse problema com precisão/agrupamento. Recentemente esta instrução foi modificada, e sugere que o cano seja limpo a cada 250 tiros. Eu faço um a limpesa em regra a cada lata de chumbo de 500 unidades que eu gasto.
  2. Flavio, desculpe-ma quanto a demora em responder, mas só hoje tomei conhecimento de sua pergunta, Da última vez que a desmontei para manutenção normal, lubrifiquei a guia do martelo e a mola principal com um pouco de graxa de bissulfeto de molibdênio (estava totalmente seca). Com o uso, a graxa se agrupou próximo ao piloto da válvula de tiro e absorveu os resíduos do desgaste da bucha do martelo e da própria guia, passando a interferir no funcionamento da válvula, e vez por outra causando spreads anormais. Acho também que a graxa ressecou os O rings com que ela teve contato. Na verdade é para trabalhar a seco mesmo. Os buffles do abafador do sobre cano também estavam avariados, com os furos ovalizados, devido as desmontagens para limpeza. Estou trocando todas as vedações, molas, e partes sujeitas a desgaste, e também eliminando os baffles que serão substituidos por uma espécie de air-striper, além de colocar válvula reguladora. Estou insistindo com a S410 porque é a que mais gosto de todas elas. Vamos ver no que vai dar. Abraço, Martial
  3. Carlinhos, Sei não, acho que vc deve comparar as duas vistas explodidas examinando principalmente o martelo, sua mola ,e a mola da válvula de disparo para ver se são iguais (não acho que são). O tiro em calibre 5,5, quando comparado ao 4,5, precisa de mais ar para fornecer velocidades aceitáveis.
  4. Arlindo, só para tirar a lenha da fogueira, rsrsrsr Ao aumentar o comprimento do martelo, este atingirá a válvula antes que a mola se expanda totalmente, ou seja diminuirá a quantidade de movimento (energia), abrindo menos a válvula, pois a aceleração do martelo provida pela distensão da mola é interrompida no momento do choque com a válvula. Creio que este dispositivo deve servir como uma ajustagem mais fina da VO, ou seja aumentando o tamanho diminui a VO, e diminuindo a aumenta. No caso da Rapid é exatamente o que vc falou. O contrapeso, no momento do impacto, pressiona a sua mola da mesma forma que o martelo pressiona a mola da válvula de disparo, o que lança o martelo para trás contra sua própria mola. isto fará com que o martelo inicie um trajeto de volta contra a válvula, que é anulado porque o contrapeso neste momento está voltando contra o movimento do martelo. Acho que o melhor exemplo deste efeito é na Discovery. Seu martelo tem um curso muito grande, e volta contra a válvula dando quase um segundo tiro, lembra-se do barulhão que ela fazia?...Ela tinha um cilindro pequeno, que dava mais ou menos 30 tiros. Depois da colocação do freio e ajuste de mola, vc deve se lembrar, passou a dar 52 tiros, muito mais silenciosa, e com o VO na casa dos 800 fps. abraços, Martial
  5. Diogo, Não acredito que variando a massa do martelo e a velocidade dele no momento de impacto com o piloto vá fazer com que os spreads sejam menores. A física é difícil de enganar. Suponhamos que vc tenha um martelo de 100 g com a velocidade de 400cm/s no momento do impacto. A fórmula que rege isso é Q=mv, onde Q= quantidade de movimento, m é a massa, e v é a velocidade em cm/seg (sistema CGS). Aplicando esta equação teremos 40.000g.cm/s. Um martelo de 50g com uma mola que nos dê 800cm/s terá o mesmo Q = 40.000g.cm/s se fizermos as contas. Variando esta grandeza Q para menos vc terá sempre menores aberturas da válvula piloto ao longo dos strings que se dispuser a fazer, e por conseguinte menores VO's, se aumentar terá maiores VO's. A variável no caso é a pressão interna do cilindro, que afeta a resistência da abertura da válvula na hora da porrada do martelo. Esta resistência é a soma da força da mola do piloto mais a pressão do cilindro vezes a área de vedação ( F=P x A). Esta pressão continuará caindo a medida que mais tiros são disparados, permitindo que a VO vá subindo no início porque a válvula vai a cada tiro abrindo mais pela queda da pressão, e que a partir de determinado valor ela comece a cair por insuficiência de pressão no cilindro. A solução é só uma ...... regular a pressão dos tiros para um valor relativamente menor que a pressão de trabalho do cilindro. Assim vc terá o componente pressão vezes área ( o F da fórmula) constante até que a pressão do cilindro caia abaixo do valor da pressão regulada para o tiro. Existem duas maneiras para isso, a mecânica e a eletrônica. Acho a mecânica mais simples por ter menos variáveis, e quem quiser adotar essa solução deve dar preferência às válvula com pré câmara, pois estas regulam, além da pressão, também o volume de ar gasto em cada tiro, leia-se menores spreads e maior autonomia. A eletrônica, pelo menos para mim, é mais complicada e creio que mais cara. Vide US$/Daystate. De qualquer forma, boa sorte. Abs, Martial
  6. Pois é Papa (ou tenente Papa?....HAHAHAH), vc sempre fala isso quanto as S410. Porém nunca fez uma pontuação maior que a minha no BR, e até já perdeu pastel da dona Sônia para mim (pagar é outra coisa HAHAHAH). Ultimamente minha 410 tem me decepsionado, mas já achei o defeito e as peças estão chegando. Me aguarde... RSRSRSR
  7. Como alguns participantes disseram que pensavam em acampar, consultamos a diretoria do clube e está liberado espaço para camping. Só peço para que os que forem acampar me informem quantos (ou quantas????) estarão vindo, para termos infraestrutura satisfatória, pois no clube só teremos o almoço da dona Sônia, e obviamente seus pastéis. Abraço a todos, e boa viagem, Martial
  8. Henrique, Enviei email com croquis e fotos das nossas bancadas para henrique.j.coelho@gmail.com. Abraço, Martial
  9. Grande chance de ser o gatilho, se o primeiro estágio estiver anulado, ou seja sem curso, o segundo estágio não entra em ação. No tópico de manutenção há um passo a passo para a regulagem do gatilho Quattro. Não se esqueça de remover o chumbo caso ela esteja carregada, para o caso dela disparar durante a regulagem.
  10. OOOHHHH!!!!! Papa, O cotovelo deste cara que posou para a foto é mesmo pra frente ou ele vestiu a camisa ao contrário? Não se esqueça de mandar fazer algumas cor de rosa. Certamente alguns atiradores vão adorar. E se tiver o emblema do Fluminense então, vai dar confusão na hora de vender.
  11. Gostaria de saber se alguém conhece algo com organização, mas sem disciplina. Vamos lá gente,... a única coisa que tem regras, e as vezes não funciona bem ,.... é a mulher.
  12. Papa, 1) Os blancks, como o Arlindo já falou, não vêm com a coroa feita. 2) Todos os Lothar Walter são choked, portanto tem um lado certo para se fazer a coroa, Acho que é o lado que tem as inscrições, é bom confirmar com seu fornecedor, ou no site da LW. 3) Antes de fazer qualquer coisa no cano, é fundamental que se determine onde está a maior deflexão (bend in english). Isto porque por melhor que seja o cano, sempre haverá uma pequena deflexão, e esta deverá ficar para cima após a montagem do cano na culatra, e portanto sua posição vai determinar aonde deverá ser feito o transfer port, ou seja a 180 graus do ponto de maior deflexão. Se não for assim já pensou como vc vai ajustar a mira?..., a cada diferente distância, além da compensação vertical haverá necessidade de compensação horizontal. Vai ficar uma salada!!!. Este processo tem que ser feito com muita precisão, em um bom torno, e com 2 relógios comparadores, um próximo da placa do torno, e outro na ponta do cano, lado da coroa, exatamente na vertical. O primeiro relógio serve para compensar algum desajuste da placa do torno. Após marcar o ponto de maior deflexão pode-se marcar o ponto de usinagem do transfer a 180 graus no cano. 4) VC tinha falado em cortar o cano para 20". Não faça isso antes de experimentá-lo com as 24", pois depois de cortado não tem como emendar. Mas encurtar pode. 5) Se eu fosse vc não instalaria shroud, e sim abriria rosca na ponta do cano para um bom abafador que vc já tem. Boa sorte meu amigo, essa AT44 terá que ser rebatizada, que tal Papa LW.22?, pois ela ficará sòmente com o mecanismo de disparo e o chassis da culatra originais. Abraços, Martial
  13. Marlon, Muito simples, é porque ele me chama de prof. Pardal, como vc pode ver no próprio post. abç, Martial
  14. O ar atmosférico é composto com diversos gases, e o nitrogênio é o que entra nesta mistura com o maior percentual, perto de 60%.O oxigênio tem seu percentual perto dos 30% (na verdade não me lembro exatamente destes números, mas os reais são bem próximos). Os demais gases, Helio, CO2, CO, etc...,entram com os 10% restantes. Então, ao atirar com Nitrogênio puro, teremos um tiro bem próximo do tiro dado com a mistura atmosférica. Se não me engano o Nitrogênio é mais pesado que o O2, sofre menos influência na pressão com as variações de temperatura, e tem menor capacidade de expansão, fatos que são bons para nosso tiro. Porém, e obviamente, é mais caro por ser retirado da atmosfera, processo que é mais caro do que simplesmente comprimir a mistura já existente abundantemente, pelo menos por enquanto né..., quem sabe???????
  15. Tu tá enganado Stringueiro, não fui eu quem inventou isso. Isso é coisa de gente burra que não tem o que fazer, pois um micrômetro, ou mesmo um paquímetro digital faria a mesma coisa com muito menos trabalho e a preço mais barato.
×
×
  • Create New...