Ir para conteúdo

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Toni

Membros
  • Total de itens

    174
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1
  • País

    Brasil

Toni venceu a última vez em Julho 11

Toni had the most liked content!

Reputação

17 Bom

1 Seguidor

Sobre Toni

  • Rank
    Atirador Veterano
  • Data de Nascimento 13-12-1986
  • Age 31

Informações do Perfil

  • Sexo
    Male
  • Sua Localidade
    Bandeirantes-PR
  • Age 31

Últimos Visitantes

266 visualizações
  1. Toni

    [RIFA] Weihrauch HW50 S 4.5mm [RIFA]

    96 pra mim!
  2. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Ehehehehe, parabéns pela Leishiy!!! Eu vi lá q vc ganhou! hahahaha! Essa não participei. To perseguindo a Impact. Filma lá e mostra pra "nozes". Abraço
  3. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Fico feliz que a gente tenha uma discussão de alto nível aqui e com respeito. Muito bom! Realmente é um problema e limitação do airgun essa questão, especialmente por conta dos baixos coeficientes balísticos do formato diabolo. Por conta disso, a FX tá desenvolvendo um cano pra se usar slugs ou balotes, no lugar de chumbos diabolô, com passo de raia diferente. Segundo o que vi promete expandir muito além dos famosos 100 metros pra PCP, muito menos drop e menos drift pelo vento! No canal do Matt Dubber ele já demonstrou com o protótipo. Vai ser umarevolução! Abraço
  4. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Concordo. Mas o efeito que estamos tratando aqui, o espiralamento, que os gringos chamam de pellet wobble, é uma coisa mais dramática, diferente do efeito giroscópio ou magnus que tem em todos os disparos (que eu acho q é o que vc quis dizer com o efeito na bola de futebol, mas q no airgun é desprezível, tanto que os aplicativos de balística normalmente nem levam em conta). Se o espiralamento ocorresse sempre, os agrupamentos teriam POIs (em altura e lateralidade) diferentes em diferentes distâncias sempre (ou então seria impossível agrupar até). Flyers são normalmente (nem sempre) chumbos defeituosos q espiralou. Conforme discute o primeiro artigo postado pelo Charles, https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/. O título do arigo é "Por que (meus) agrupamentos se movem?" Daí no artigo ele discute como resolver o problema se acontecer de seus agrupamentos se moverem conforme a distância. Diz ainda q isso é um problema e discute as possíveis causas e como resolver (uma seria a luneta desalinhada com o eixo da arma, outra seria o espiralamento, que também tem conserto). Vejam este vídeo de um cara testando e escolhendo chumbos pra uma daystate: Dá uma olhada na trajetória do JSB 18 que a arma dele gostou e a diferença pros outros chumbos que não harmonizaram. A diferença é brutal. Ainda sobre o q eu dizia, veja o JSB 16grains a 1000fps o que acontece. Meus amigos, como disse minha intenção não é polemizar. Com todo respeito, somente queria colocar que a trajetória NORMAL do chumbo é retilínea, não em espiral (embora ele gire sobre o próprio eixo etc etc). Se isto tá acontecendo desde a boca do cano é um problema a ser corrigido. Abraços
  5. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Não sei o que é "technobabble", mas ele entende muito do q diz e isto se verifica na prática. Mas novamente o artigo que vc postou concorda comigo. Segundo o artigo o efeito espiral é "natural", mas não é o ideal e é um problema. O foco do artigo é ajudar a entender o que causa este problema. Veja o que ele diz: "Pellet spiral is real enough and one of the reasons that it is not seen in every shot is mainly that a number of specific physical effects must “align” or “harmonise” (technically speaking - a “harmonic” being set up) for the spiral to occur." Traduzo: "Espiralamento do chumbo é real o suficiente e uma das razões que ele não é visto em todos os disparos é principalmente que um número específico de efeitos(fatores) físicos devem se 'alinhar' ou 'harmonizar' (se combinarem) (tecnicamente falando - uma 'harmonia' preparada) para ocorrência da espiral". Segue: "When specific effects do harmonise in such a way that a type of harmonic is set up then pellet spiral may occur." traduzo: "Quando efeitos (fatores) específicos se harmonizam de uma forma que um tipo de harmonia ocorre, ENTÃO o espiralamento do chumbo PODE ocorrer." (griffos meus). Quando ele diz que "Espiral de pellets pode não ser observada em todos os pellets disparados de um rifle. Isso geralmente contribui para o mito perpetuado de que não é um efeito real ou é uma ilusão de ótica. Isso é enganoso." No contexto o que ele quer dizer é que "como esse efeito NÃO acontece sempre ("em cada pellet disparado"), quando as pessoas vem um pellet espiralando, tendem a achar q é uma ilusão de ótica. Quando na verdade o pellet está sim espiralando, SÓ NÃO OCORRE SEMPRE pelos fatores discutidos no artigo. (a propósito, pro autor deste artigo, o tombamento de chumbo é a causa principal desse efeito) Amigo, perceba que não estou discordando de que este efeito existe. Mas discordo de que ele ocorra sempre, em todo disparo, desde a boca do cano. E que sim, comprovado empiricamente, é possível "tunar" a harmonia da arma com a balística externa do projétil para que isto não ocorra, ou que ocorra apenas a distâncias extremas. Abraço
  6. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Inclusive, no próprio video q vc postou, é possível ver q no começo da trajetória ele vai "retinho" e depois ele passa a espiralar, conforme se desestabiliza. E o artigo que vc postou concorda comigo. https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/ Ele na vdd explica as mesmas coisas q eu estou explicando. No artigo ele diz q isso NÃO é normal. Diz q pode ser cano sujo, pode ser que sua arma não gostou do chumbo... etc. Que o natural é a trajetória retilínea.
  7. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    To confundindo não. Sei do que se trata o espiralamento e o tombamento. No vídeo q vc postou o scopecam comportamento do chumbo está "anormal". Isso é comportamento de chumbo que a arma não gostou. Não é natural espiralamento desde a boca do cando. Quando a "harmonia" da arma com a balística externa do projétil está correta, essa trajetória espiral não ocorre. Tem inúmeros vídeos q podemos comprovar isto. Quando ocorre é por duas razões: uma unidade ruim do chumbo ou se a harmonia do conjunto está errada (e a maioria das vezes é o excesso de velocidade do projétil, pq chumbos diabolo em geral não suportam muito mais q 900 fps). Veja, nestes vídeos ele discute isto e é possível ver em vídeo o fenômeno: Nos próximos dois vídeos ele regula a arma para que o espiralamento pare de ocorrer. Tem o antes e depois: ANTES: DEPOIS: Em resumo, na minha humilde opinião, espiralamento NÃO é normal. É o resultado de um conjunto fora de harmonia (ou se sua arma não gostar do chumbo... tipo a minha pcp odeia H&N target trophy, espirala de um jeito q chega a assoviar o chumbo). Abraços
  8. Toni

    Garrafas a 200m e uma aula de balística

    Amigo, muito bacana o vídeo, mas permita-me discordar da parte da espiral do chumbo. A trajetória em espiral, no q eu entendo, somente ocorre a partir do momento em que o chumbo se desestabiliza de sua trajetória, não desde a boca do cano, e isto tem muitos fatores. O fator mais comum, tratando de JSB 18 em PCPs, é o excesso de velocidade no tiro. O raiamento influi nisto, mas já é consenso na gringa que, mesmo com carabinas como a FX e daystate, o JSB 18 não aceita mais q 920 fps. A partir disto a trajetória dele se desestabiliza e ele começa a espiralar. Ao contrário, quando a velocidade do chumbo e o passo da raia estão em sintonia, que na maioria das pcps gira entre 800 e 900 fps, esse espiralamento NÃO ocorre e a trajetória do chumbo é retilínia, sendo que a abertura do agrupamento a distância maiores q 100 metros se dá por outros fatores de balística externa, mas não o espiralamento. Por isto, o pessoal mais maduro no mundo PCP já percebeu q, por exemplo, a melhor precisão q se extrai de uma FX impact tá por volta dos 880 fps com jsb 18, pois mais que isso ocorre espiralamento. É possível ver este fenômeno ocorrer em diversos vídeos em câmera lenta, inclusive em que fazem testes com diferentes tamanhos de chumbo 5.50, 5.51, 5.52, 5.53 e etc. Foi possível observar que diferentes tamanhos influenciam esse fenômeno, de acordo com o cano da arma. Também é possível observar que o espiralamento somente ocorre depois de uma determinada distância e longa. 80 ou 90 mts, por exemplo, mas somente quando o chumbo se desestabiliza. Quando os fatores velocidade do chumbo, passo do raio, balística do chumbo e velocidade se harmonizam, esse efeito NÃO ocorrem e é possível ver o chumbo percorrer toda sua trajetória em arco, mas "retilínio", sem espiral e desde a boca do cano. Minha intenção não é polemizar, mas contribuir com a discussão. Abraços
  9. Toni

    Como mexer na regulagem da válvula da m16?

    Amigo, Eu tenho uma M16 faz uns meses já. Posso fazer umas considerações. Existem vários fatores que definem a autonomia de uma PCP, nem todos estão sob nosso controle e outros funcionam na lógica do "cobertor curto", tira de um lado pra ganhar um outro. Primeiramente, como sua carabina é nova, ainda precisa amaciar as válvulas para que elas trabalhem no seu melhor. Por isso, carabina nova geralmente vai oscilar um pouco velocidade, energia e autonomia. Depois, vc precisa saber que, estando tudo correto e bem regulado, mais autonomia geralmente vai significar menos energia/velocidade do disparo. É isto que vc quer? Sobre a m16, a primeira coisa q vc precisa saber e que causa confusão nas Artemis é q a pressão máxima do cilindro dela é de 250 BAR. "Ahh, mas no manômetro o verde vai só até o 220!" Sim, ninguém sabe o pq, talvez economia burra na fabricação, mas na lateral do cilindro, no manual e na lateral do bloco da culatra está escrito 25MPa (250Bar). Então encha a 250 Bar pra ter autonomia máxima. Eu sempre enchi a 250, não tem crise. A Diana que tá distribuindo a M16 sob o nome "Outlaw" nos EUA diz q é 250 BAR. Não precisa ter medo. Daí, vc tem mais duas regulagens nela: a do martelo e a da válvula reguladora. O martelo é simples, tira a coronha e use uma moeda pra girar um parafuso na culatra da arma. Quanto mais apertado, mais forte o soco do martelo na válvula disparadora, portanto gasta mais ar e vc gera mais energia. Mas há um limite. Chega um ponto em que não importa o quão forte o martelo bata na válvula, a velocidade não sobe, vc só desperdiça ar. Daí há q se encontrar o equilíbrio testando. Assim, solte esse parafuso pra diminuir a força do martelo e economizará ar a custo de velocidade. Já a regulagem da válvula reguladora é bem mais complicado. Diria q não é pra amadores. Eu mesmo nunca mexi na minha até pq não senti necessidade. A minha veio regulada pra uma pressão q considero ideal e não quis mexer. Pra acessar a válvula vc tem q esvaziar o cilindro de ar e remover o cilindro. A válvula ficará exposta, solta a contra porca e ajusta o parafuso central para regular. Anti-horário aumenta pressão, horário diminui a pressão (menor energia, mais disparos). A minha carabina depois de amaciada (digamos aí uns 200 disparos pra amaciar uns 80% e uns 500 pra ficar jóia) dá cerca de 50 a 55 disparos regulados, com chumbo JSB 18 grains, 270 m/s, 43 joules ou 32ft/lbs. Posso dizer q pra mim está ótimo. Essa arma entrega muito pro valor dela. Pessoal anuncia ela como 60 disparos de autonomia, mas acredito (com base em conversas com outros atiradores, reviews gringos) que o correto seja algo entre 50 e 55 nessa faixa de potência no calibre 5.5. É uma excelente autonomia pra uma carabina dessa "categoria", digamos. Lembrando que similares que custam 3 a 4 vezes mais tem uma autonomia muito parecida, como a FX streamline e a Daystate Huntsman Regal XL. A maioria das carabinas nessa faixa de preço dão menos tiros e ainda, por não serem reguladas, vão dar aí uns 20 tiros bons, na melhor parte da curva. Por isso te digo, a princípio esqueça mexer na válvula reguladora e experimente mexer no martelo. Nele não tem o risco de vc estragar nada e já vai mais ou menos dar o resultado desejado, lembrando que tanto em um como em outro, mais autonomia por este método significa menos energia/velocidade. Se quiser mais detalhes ou trocar uma ideia sobre a carabina me mande uma msg privada. Abraço
  10. Toni

    Review carabina pcp m22 spa calibre 5.5

    Haha, nossa tá um absurdo de forte! JSB não gosta de passar dos 280m/s e a sua deve estar dando bem mais q isso se dá 280 com o barracuda 21gr. Parabéns pela carabina. Abraço
  11. Só na expectativa do novo R 105 pra liberar geral as lunetas, sem restrições de especificações. Pq o atual R 105, decretado pelo "querido" FHC no ano 2000 é de uma cretinice sem tamanho e o Exército mais atrapalha do que ajuda. Com sua infinita e abusiva burocracia tem demorado coisa de 6 meses pra sair um CR na minha região. O que o pessoal precisa entender é q o estatuto do desarmamento não é o problema. Ele só dá linhas gerais. Quem restringe tudo é o Decreto do R 105 e as "porcarias" do COLOG. Se a burocracia do exército funcionasse, todo mundo conseguiria ter até arma de fogo restrita sem frescura. Em resumo, no fim das contas e formalmente a lei permite, o que trava tudo é a burocracia bizarra do exército.
  12. Eu tenho a Marvic 2.0 Luxe e o gatilho é o melhor de springers q já usei. Tenho uma cometa fusion e a norica é melhor sossegado. As peças do gatilho são mais bem feitas, material é melhor, zero rebarbas, precisam de muito pouco polimento. Troca-se a molinha traseira por uma de caneta e tenho um gatilho quase nível PCP nela. Esses dias participei de um capeonato papel 10mts com ela. Com GR 45kg e pistão aliviado, fiquei em primeiro ganhando de HW35. A norica é uma jóia. Pena q é difícil encontrar. Apoiado já fiz grupo em moeda de 10 centavos a 30 mts. Edit: Quanto a calibre, acredito que pra carabina de mola o mais "útil" é o 4.5. Além disso, como ela é de quebrar o cano, vc pode eventualmente utilizá-la em mais provas de campeonatos, em que muitas delas somente aceitam carabina de quebrar o cano. CFX é unanimidade, é um tesão também. Mas se vc pensar em competir e atirar em pé, acredito que a marvic vá melhor. Na coronha de madeira ela é bastante equilibrada, o centro de gravidade fica pouco a frente do gatilho, favorecendo um "hold" mais estável. CFX pende mais pra frente por conta da coronha leve e o peso extra na frente do underlever. Se quiser me mandar MP a gente troca uma ideia sobre ela, ou até sobre os tunings que fiz se precisar de ajuda. Abraço
  13. Toni

    Chumbo RED STAR 5.5 da BSA.

    Sem comparação. Chumbo meia boca, nível dos gamos atuais. Enviado de meu XT1635-02 usando Tapatalk
  14. Amigo, tenho uma Norica Marvic Luxe 4.5 e uma Cometa Fusion Premier 5.5, ambas totalmente tunadas com gatilho, GR e pistão. Só digo uma coisa: Vai de norica sossegadamente. A cometa é boa tb. Mas mesmo original a norica, na minha experiência, é melhor, gatilho, recuo e afins. A 35 mts faço agrupamentos de 3cm, com mira aberta e apoiado, com GR de 45kg e pistão mais leve da elite. Nessa configuração ela ficou com uma média de velocidade entre 230 e 240 m/s dependendo do chumbo. Com a mola original e o pistão original (que é bem mais pesado) girava em torno de 280 m/s, mas com um pouco a mais de recuo (não muito). Ainda quero testar o GR com o pistão original e ver como fica a Velocidade e recuo. O que ela perde é o barulho que é maior e mais estalado que a cometa, que dá um tiro mais abafado e mais baixo (a fusion tem um mini supressor no cano). Abraço
  15. Toni

    Supressor de som (Silenciador) para Gamo Big Cat 1000, existe?

    Vish, sei como é... Minha Norica marvic é bem barulhenta, mesmo com kit elite pistão e mola 45 kg. Não tem muito o q fazer. Já a minha cometa fusion é bem mais silenciosa. Enviado de meu XT1635-02 usando Tapatalk
×