Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada
Eduardo Macedo

VARIAÇÕES DO COEFICIENTE BALÍSTICO

Recommended Posts

VARIAÇÕES DO COEFICIENTE BALÍSTICO

Como sabemos, o coeficiente balístico é responsável pelo comportamento do chumbinho durante a trajetória até o alvo e por isso é imprescindível que o conheçamos, principalmente se o objetivo for atirar a longo alcance, ou seja, além de 30 metros.

O coeficiente balístico ou CB já foi explicado diversas vezes e ele se define pela densidade seccional do projétil dividida pelo seu coeficiente de forma.

No caso dos chumbinhos tipo diabolo para armas de pressão, o coeficiente balístico é muito baixo em comparação aos projéteis para armas de pressão, motivo pelo qual a energia dos chumbinhos diminui muito após os 50 metros, demandando carabinas potentes para que a energia mínima para efeitos de caça permaneça além dos 100 metros, embora não seja aconselhável atirar a tal alcance durante as caçadas, pois, acertos acabam sendo acasos.

Sendo a densidade seccional o resultado do peso do projétil dividido pela sua área, é normal que projéteis mais pesados apresentem CB mais alto do que projéteis mais leves e de mesmo formato. No entanto, é possível que projéteis mais leves apresentem CB mais alto do que alguns projéteis mais pesados se o seu formato for mais aerodinâmico.

Contudo, apesar de ser possível calcular o CB através de fórmula matemática, a melhor maneira de o conhecer é através da medição da velocidade do chumbinho em dois pontos de sua trajetória, e ainda há um fator que deve ser considerado que é a variação o CB em função da velocidade do chumbinho, por isso, quando nos referimos ao coeficiente balístico de determinado chumbinho, o fazemos de forma aproximada, para termos um ponto de partida para a determinação de sua trajetória através de softwares e assim conhecer a energia no impacto com o alvo, a sua queda e desvio em função do vento e podermos fazer a compensação da visada a alcances diferentes do alcance que a mira foi zerada.

De modo geral, os coeficientes balísticos dos chumbinhos são determinados a partir de faixas de velocidades diferentes para os calibres 4,5 mm e 5,5 mm, que são:

Calibre 4,5 mm: Velocidades entre 270 m/s e 305 m/s

Calibre 5,5 mm: Velocidades entre 240 m/s e 270 m/s

Um ponto importante a ser frisado é o limite recomendado da velocidade dos chumbinhos em 305 m/s. Isso se dá em função da precisão, que acaba sendo afetada com velocidades além deste valor, em função da turbulência que ocorre acima de 90% da velocidade do som.

Mas, há também o fato de o CB do chumbinho cair bastante além desta velocidade, como demonstrado na ilustração que acompanha este texto. A curva na ilustração é aleatória e considera chumbinho com CB alto, lembrando que geralmente o CB dos chumbinhos varia entre 0,010 e 0,040.

Então, aos atiradores que se interessam em tirar o melhor proveito de suas armas de pressão e adotar sempre os chumbinhos mais adequados aos tiros a longo alcance, deixo esta dica.

Atire para acertar!

FONTE e Autorização FÓRUM CA: Nelson L. De Faria

Na ilustração, curva de variação do CB em relação às velocidades.

image.png

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...