Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 08/22/2019 in all areas

  1. 1 point
    Gostaria de deixar relatado que obtive êxito em minha tentativa. Desmontei a arma; limpei a pasta G com uma flanela e álcool absoluto, passando várias vezes para ter certeza de eatar bem limpo; apliquei o silicone que veio com o gás ram em pequena quantidade e a arma parou se estourar. Dei uns 50 tiros até o momento. Este fim de semana vou para a roça acabar de amaciar esse gás ram e ver como fica, mas acho que vou ficar com o de 45 kg mesmo, por questão de barulho. Como atiro em meu quintal, a pancada do GR mais forte está muito incômoda, já com o de 45kg está bem moderada. A diferença é gritante! Quanto a precisão, atirando a 10m de pé na mira aberta, consigo grupos do tamanho de moedas de 10 centavos com qq mola. É lógico que com a mola mais fraca os grupos ficam mais 'bonitos'. Mas acho que é questão de treino... Segue abaixo a foto do meu pistão aliviado só para ilustração. Retirei a camisa de mola da Sag para ajudar a reduzir o tranco.
  2. 1 point
    Após algumas experiências com a reforma de algumas coronhas utilizando mais de um tipo de acabamento, decidi recuperar a coronha da Gamo 300 adquirida em dezembro passado. A coronha apresentava marcas devido ao uso ao longo dos anos, mas o que chamava mais a atenção, era a reação do verniz com algo na madeira e também a elevação desses pontos, como se a madeira tivesse contraído, provocando assim uma elevação desses pontos. Uma vez separada a coronha da mecânica, foram retiradas as partes plásticas fixadas a esta, guarda-mato e soleira. PROCEDIMENTOS: Para a remoção do verniz original, utilizei o removedor de acabamentos, e com auxilio de um cartão de crédito vencido, fui removendo aquela emulsão formada pela reação do produto com o verniz. Com o uso de um trapo retirei todos os vestígios do produto, dando continuidade a limpeza fiz a lavagem da coronha com água e sabão e uma escova com cerdas de nylon. Após secagem à sombra finalizei a limpeza com a aplicação de aguarrás. Como suspeitava, aqueles pontos que haviam reagido com o verniz eram defeitos da madeira original e que foram preenchidos por uma massa de cor marfim, quando do acabamento da coronha pela indústria. Com o uso de um formão pequeno e bastante cuidado, fui retirando toda aquela massa até deixar os orifícios completamente limpos, prontos para receber outro tipo de preenchimento. Marcas na coronha produzidas por impactos ao longo dos anos, foram retiradas usando um pano grosso molhado e ferro de passar roupa. Antes da retirada da soleira, fiz uma marcação na base da coronha com uma punção, com o intuito de retirar material, através do lixamento, pois a base tinha dimensões acima do tamanho da soleira. O pó gerado no lixamento foi reservado para futuro uso. Utilizando pó de serragem de madeiras escuras e cianoacrilato e a serragem em camadas compactadas, fui preenchendo os defeitos até sobrepassar o limite superior destes. Utilizei fita crepe para proteger a madeira dos excessos da cola, aplicando a fita em todos os contornos dos pontos a serem trabalhados. Seca a mistura, iniciei o processo de lixamento com duas granulações distintas, primeiramente nos locais preenchidos pela mistura, e depois nos locais onde o vapor não havia resolvido o problema. Iniciei o acabamento com a aplicação de três demãos de stain, um leve lixamento com lã de aço após a secagem da terceira demão, seguido de três demãos de Tru-Oil, seguido também de um leve lixamento com a lã de aço, somente para retirar o excesso de brilho. A parte mecânica foi desmontada e toda limpa, pois havia um excesso de óleo em todas as partes internas, provavelmente o óleo lubrificante utilizado ao longo dos anos pelo antigo dono, verteu óleo do orifício do parafuso que fixava a bucha de couro do cilindro, bem como da vedação do cano. Foram trocados, bucha do cilindro, anel de vedação do cano e a mola de propulsão. MATERIAIS UTILIZADOS: - Removedor Striptizi Montana; - Aguarrás Suvinil; - Stain Suvinil; - Tru-Oil; - TekBond 793; - Lixas 220 e 400; -Taco para lixa; - Formão pequeno; - Bom Bril; - Mola impulsora Gamo Big Cat 1000 com redução de três espiras; - Bucha de PU Elite Gamo 68; - Vedação cano de PU Elite Gamo 68; - Pasta G; - Óleo Singer; -Água, sabão, escova de nylon, trapo grosso e ferro de passar. FOTOS:
































Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear



×
×
  • Create New...

Maxima.jpg