Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada
Charles Dias

Garrafas a 200m e uma aula de balística

Recommended Posts

não tem nem o que falar, grandes disparos e uma aula de graça...+1 certamente

Share this post


Link to post
Share on other sites

Amigo, muito bacana o vídeo, mas permita-me discordar da parte da espiral do chumbo.

A trajetória em espiral, no q eu entendo, somente ocorre a partir do momento em que o chumbo se desestabiliza de sua trajetória, não desde a boca do cano, e isto tem muitos fatores.

O fator mais comum, tratando de JSB 18 em PCPs, é o excesso de velocidade no tiro. O raiamento influi nisto, mas já é consenso na gringa que, mesmo com carabinas como a FX e daystate, o JSB 18 não aceita mais q 920 fps. A partir disto a trajetória dele se desestabiliza e ele começa a espiralar.

Ao contrário, quando a velocidade do chumbo e o passo da raia estão em sintonia, que na maioria das pcps gira entre 800 e 900 fps, esse espiralamento NÃO ocorre e a trajetória do chumbo é retilínia, sendo que a abertura do agrupamento a distância maiores q 100 metros se dá por outros fatores de balística externa, mas não o espiralamento.

Por isto, o pessoal mais maduro no mundo PCP já percebeu q, por exemplo, a melhor precisão q se extrai de uma FX impact tá por volta dos 880 fps com jsb 18, pois mais que isso ocorre espiralamento. 

É possível ver este fenômeno ocorrer em diversos vídeos em câmera lenta, inclusive em que fazem testes com diferentes tamanhos de chumbo 5.50, 5.51, 5.52, 5.53 e etc. Foi possível observar que diferentes tamanhos influenciam esse fenômeno, de acordo com o cano da arma. 

Também é possível observar que o espiralamento somente ocorre depois de uma determinada distância e longa. 80 ou 90 mts, por exemplo, mas somente quando o chumbo se desestabiliza. Quando os fatores velocidade do chumbo, passo do raio, balística do chumbo e velocidade se harmonizam, esse efeito NÃO ocorrem e é possível ver o chumbo percorrer toda sua trajetória em arco, mas "retilínio", sem espiral e desde a boca do cano.

Minha intenção não é polemizar, mas contribuir com a discussão. 

Abraços

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 minutos atrás, Toni disse:

Amigo, muito bacana o vídeo, mas permita-me discordar da parte da espiral do chumbo.

A trajetória em espiral, no q eu entendo, somente ocorre a partir do momento em que o chumbo se desestabiliza de sua trajetória, não desde a boca do cano, e isto tem muitos fatores.

O fator mais comum, tratando de JSB 18 em PCPs, é o excesso de velocidade no tiro. O raiamento influi nisto, mas já é consenso na gringa que, mesmo com carabinas como a FX e daystate, o JSB 18 não aceita mais q 920 fps. A partir disto a trajetória dele se desestabiliza e ele começa a espiralar.

Ao contrário, quando a velocidade do chumbo e o passo da raia estão em sintonia, que na maioria das pcps gira entre 800 e 900 fps, esse espiralamento NÃO ocorre e a trajetória do chumbo é retilínia, sendo que a abertura do agrupamento a distância maiores q 100 metros se dá por outros fatores de balística externa, mas não o espiralamento.

Por isto, o pessoal mais maduro no mundo PCP já percebeu q, por exemplo, a melhor precisão q se extrai de uma FX impact tá por volta dos 880 fps com jsb 18, pois mais que isso ocorre espiralamento. 

É possível ver este fenômeno ocorrer em diversos vídeos em câmera lenta, inclusive em que fazem testes com diferentes tamanhos de chumbo 5.50, 5.51, 5.52, 5.53 e etc. Foi possível observar que diferentes tamanhos influenciam esse fenômeno, de acordo com o cano da arma. 

Também é possível observar que o espiralamento somente ocorre depois de uma determinada distância e longa. 80 ou 90 mts, por exemplo, mas somente quando o chumbo se desestabiliza. Quando os fatores velocidade do chumbo, passo do raio, balística do chumbo e velocidade se harmonizam, esse efeito NÃO ocorrem e é possível ver o chumbo percorrer toda sua trajetória em arco, mas "retilínio", sem espiral e desde a boca do cano.

Minha intenção não é polemizar, mas contribuir com a discussão. 

Abraços

Toni, você está confundindo o giro ao redor do eixo de trajetória com o "tombamento" do chumbo. 

"No final do século XX, os alemães desenvolveram uma tecnologia capaz de aprimorar a precisão dos disparos: estrias helicoidais na parte interna dos canos das armas, faziam com que projéteis do exato tamanho do cano girassem em torno do próprio eixo. O processo, conhecido como “rifling” ou raiamento do cano é repetido até hoje nas armas que necessitam de precisão."

"Estriamento é o processo pelo qual ranhuras helicoidais no cano de uma arma ou arma de fogo conferem uma rotação a um projétil em torno do seu eixo mais longo. Esse giro serve para estabilizar o projétil giroscopicamente, melhorando sua aerodinâmica, estabilidade e precisão."

image.png.4d96db68fa511bf2108dd7349e216e77.png

image.png.d2f870e72d23bc51a2d6dd9e56ee617d.png

Já o tombamento é quando o chumbo gira sobre si mesmo ao longo da trajetória como se capotasse.

Me referi ao espiralamento crescente da trajetória ao longo da distância.

image.png.55ae69f9d03a83933a8335bf29041407.png

524457969_ScreenShot2018-07-10at20_03_16.png.120556f769d358913870b21a4644fd70.png

Vc pode ler a respeito aqui ... https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/

Nesse vídeo dá para ver exatamente esse efeito ... num alvo a apenas 65 metros ... Imagina o efeito crescente a 200 metros.

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

To confundindo não. Sei do que se trata o espiralamento e o tombamento.

No vídeo q vc postou o scopecam comportamento do chumbo está "anormal". Isso é comportamento de chumbo que a arma não gostou. Não é natural espiralamento desde a boca do cando.

Quando a "harmonia" da arma com a balística externa do projétil está correta, essa trajetória espiral não ocorre.

Tem inúmeros vídeos q podemos comprovar isto. Quando ocorre é por duas razões: uma unidade ruim do chumbo ou se a harmonia do conjunto está errada (e a maioria das vezes é o excesso de velocidade do projétil, pq chumbos diabolo em geral não suportam muito mais q 900 fps).

Veja, nestes vídeos ele discute isto e é possível ver em vídeo o fenômeno:

 

Nos próximos dois vídeos ele regula a arma para que o espiralamento pare de ocorrer. Tem o antes e depois:

ANTES:

 

DEPOIS:

 

Em resumo, na minha humilde opinião, espiralamento NÃO é normal. É o resultado de um conjunto fora de harmonia (ou se sua arma não gostar do chumbo... tipo a minha pcp odeia H&N target trophy, espirala de um jeito q chega a assoviar o chumbo).

Abraços

 

Edited by Toni

Share this post


Link to post
Share on other sites

Inclusive, no próprio video q vc postou, é possível ver q no começo da trajetória ele vai "retinho" e depois ele passa a espiralar, conforme se desestabiliza. 

E o artigo que vc postou concorda comigo. https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/ 

Ele na vdd explica as mesmas coisas q eu estou explicando. No artigo ele diz q isso NÃO é normal. Diz q pode ser cano sujo, pode ser que sua arma não gostou do chumbo... etc. Que o natural é a trajetória retilínea.

Edited by Toni

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Toni disse:

Inclusive, no próprio video q vc postou, é possível ver q no começo da trajetória ele vai "retinho" e depois ele passa a espiralar, conforme se desestabiliza. 

E o artigo que vc postou concorda comigo. https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/ 

Ele na vdd explica as mesmas coisas q eu estou explicando. No artigo ele diz q isso NÃO é normal. Diz q pode ser cano sujo, pode ser que sua arma não gostou do chumbo... etc. Que o natural é a trajetória retilínea.

Ted Holdover atira bem para caramba, mas fala muito technobabble, tem de filtrar muito o que ele diz em termos técnicos.

Já foi pacificado que o "corkscrew effect" como é chamado na gringolândia existe e pode ser causado inclusive pelo passo do raiamento ou mesmo alteração na densidade interna dos chumbos. No final não há uma causa única para o efeito, mas um conjunto de causas que sozinhas não teriam tanto poder mas que juntas ganham força e provocam o espiralamento. Fato é que seja qual for o problema a distância tem um efeito multiplicador. 

Como dito nesse artigo (http://www.erifle.co.uk/pelletspiral.asp) com tradução livre:

"Pellet Spiral é, na verdade, um efeito real associado a balas estabilizadas por rotação, agidas por um momento de força conhecido como “Magnus Moment” (Veja o Google para informações detalhadas) e em total concordância com as leis da física!

Espiral de pellets pode não ser observada em todos os pellets disparados de um rifle. Isso geralmente contribui para o mito perpetuado de que não é um efeito real ou é uma ilusão de ótica. Isso é enganoso."

Há espiralização da trajetória devido a problemas como cano sujo ou problemas no raiamento, sim, com certeza. Porém quando isso acontece a espiralização é verificável já a curtas distâncias ... 20, 30 metros. Pegue uma arma sem nenhum desses problemas e atire a distâncias extremas ... 100, 150, 200 metros, a espiralização que parecia não existir a 20, 35, 50 metros vai se fazer visível, até porque não é que não existia, mas era tão pequena a ponto de não ser noticiada. 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Resumo, não é porque eu não consigo ver ou medir, que não está lá.
Já diserram a matéria escura, bóson de higgs, neutrinos, eletromagnetismo etc...

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 minutos atrás, Charles Dias disse:

Ted Holdover atira bem para caramba, mas fala muito technobabble, tem de filtrar muito o que ele diz em termos técnicos.

Já foi pacificado que o "corkscrew effect" como é chamado na gringolândia existe e pode ser causado inclusive pelo passo do raiamento ou mesmo alteração na densidade interna dos chumbos. No final não há uma causa única para o efeito, mas um conjunto de causas que sozinhas não teriam tanto poder mas que juntas ganham força e provocam o espiralamento. Fato é que seja qual for o problema a distância tem um efeito multiplicador. 

Como dito nesse artigo (http://www.erifle.co.uk/pelletspiral.asp) com tradução livre:

"Pellet Spiral é, na verdade, um efeito real associado a balas estabilizadas por rotação, agidas por um momento de força conhecido como “Magnus Moment” (Veja o Google para informações detalhadas) e em total concordância com as leis da física!

Espiral de pellets pode não ser observada em todos os pellets disparados de um rifle. Isso geralmente contribui para o mito perpetuado de que não é um efeito real ou é uma ilusão de ótica. Isso é enganoso."

Há espiralização da trajetória devido a problemas como cano sujo ou problemas no raiamento, sim, com certeza. Porém quando isso acontece a espiralização é verificável já a curtas distâncias ... 20, 30 metros. Pegue uma arma sem nenhum desses problemas e atire a distâncias extremas ... 100, 150, 200 metros, a espiralização que parecia não existir a 20, 35, 50 metros vai se fazer visível, até porque não é que não existia, mas era tão pequena a ponto de não ser noticiada. 

 

Não sei o que é "technobabble", mas ele entende muito do q diz e isto se verifica na prática.

Mas novamente o artigo que vc postou concorda comigo. Segundo o artigo o efeito espiral é "natural", mas não é o ideal e é um problema. O foco do artigo é ajudar a entender o que causa este problema. 

Veja o que ele diz: 

"Pellet spiral is real enough and one of the reasons that it is not seen in every shot is mainly that a number of specific physical effects must “align” or “harmonise” (technically speaking - a “harmonic” being set up) for the spiral to occur."

Traduzo: "Espiralamento do chumbo é real o suficiente e uma das razões que ele não é visto em todos os disparos é principalmente que um número específico de efeitos(fatores) físicos devem se 'alinhar' ou 'harmonizar' (se combinarem) (tecnicamente falando - uma 'harmonia' preparada) para ocorrência da espiral".

Segue: "When specific effects do harmonise in such a way that a type of harmonic is set up then pellet spiral may occur."

traduzo: "Quando efeitos (fatores) específicos se harmonizam de uma forma que um tipo de harmonia ocorre, ENTÃO o espiralamento do chumbo PODE ocorrer." (griffos meus).

Quando ele diz que "Espiral de pellets pode não ser observada em todos os pellets disparados de um rifle. Isso geralmente contribui para o mito perpetuado de que não é um efeito real ou é uma ilusão de ótica. Isso é enganoso." No contexto o que ele quer dizer é que "como esse efeito NÃO acontece sempre ("em cada pellet disparado"), quando as pessoas vem um pellet espiralando, tendem a achar q é uma ilusão de ótica. Quando na verdade o pellet está sim espiralando, SÓ NÃO OCORRE SEMPRE pelos fatores discutidos no artigo. (a propósito, pro autor deste artigo, o tombamento de chumbo é a causa principal desse efeito)

Amigo, perceba que não estou discordando de que este efeito existe. Mas discordo de que ele ocorra sempre, em todo disparo, desde a boca do cano. E que sim, comprovado empiricamente, é possível "tunar" a harmonia da arma com a balística externa do projétil para que isto não ocorra, ou que ocorra apenas a distâncias extremas.

Abraço

 

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Não sei o que é "technobabble", mas ele entende muito do q diz e isto se verifica na prática.
Mas novamente o artigo que vc postou concorda comigo. Segundo o artigo o efeito espiral é "natural", mas não é o ideal e é um problema. O foco do artigo é ajudar a entender o que causa este problema. 
Veja o que ele diz: 
"Pellet spiral is real enough and one of the reasons that it is not seen in every shot is mainly that a number of specific physical effects must “align” or “harmonise” (technically speaking - a “harmonic” being set up) for the spiral to occur."
Traduzo: "Espiralamento do chumbo é real o suficiente e uma das razões que ele não é visto em todos os disparos é principalmente que um número específico de efeitos(fatores) físicos devem se 'alinhar' ou 'harmonizar' (se combinarem) (tecnicamente falando - uma 'harmonia' preparada) para ocorrência da espiral".
Segue: "When specific effects do harmonise in such a way that a type of harmonic is set up then pellet spiral may occur."
traduzo: "Quando efeitos (fatores) específicos se harmonizam de uma forma que um tipo de harmonia ocorre, ENTÃO o espiralamento do chumbo PODE ocorrer." (griffos meus).
Quando ele diz que "Espiral de pellets pode não ser observada em todos os pellets disparados de um rifle. Isso geralmente contribui para o mito perpetuado de que não é um efeito real ou é uma ilusão de ótica. Isso é enganoso." No contexto o que ele quer dizer é que "como esse efeito NÃO acontece sempre ("em cada pellet disparado"), quando as pessoas vem um pellet espiralando, tendem a achar q é uma ilusão de ótica. Quando na verdade o pellet está sim espiralando, SÓ NÃO OCORRE SEMPRE pelos fatores discutidos no artigo. (a propósito, pro autor deste artigo, o tombamento de chumbo é a causa principal desse efeito)
Amigo, perceba que não estou discordando de que este efeito existe. Mas discordo de que ele ocorra sempre, em todo disparo, desde a boca do cano. E que sim, comprovado empiricamente, é possível "tunar" a harmonia da arma com a balística externa do projétil para que isto não ocorra, ou que ocorra apenas a distâncias extremas.
Abraço
 
 
Minha opinião.

Ele ocorre sempre, em níveis visíveis ou não.

Pra mim o chumbo perde a energia de rotação sobre o próprio eixo no arrasto com a atmosfera e começa a perder estabilidade aerodinâmica, como acontece com uma bola de futebol "com efeito" e por isso não o vemos sempre, a atmosfera muda, cada chumbo tem uma superfície diferente etc...

Tunando a arma você reduz o efeito a níveis não perceptíveis ao meu ver, mas não acho que anula o efeito, pelo contrário, não acho que haja disparo sem o efeito, como mencionei sobre a bola de futebol, existe arrasto, gravidade, extremidades mais pesadas do chumbo etc...

Mas são achismos meus, não sou especialista em assunto nenhum.

Resumo: acho que está lá mas você não vê porque reduziu bastante os coeficientes diretamente proporcionais para que este ocorra.

Share this post


Link to post
Share on other sites
21 minutos atrás, Raufemann Fritz disse:

Minha opinião.

Ele ocorre sempre, em níveis visíveis ou não.

Pra mim o chumbo perde a energia de rotação sobre o próprio eixo no arrasto com a atmosfera e começa a perder estabilidade aerodinâmica, como acontece com uma bola de futebol "com efeito" e por isso não o vemos sempre, a atmosfera muda, cada chumbo tem uma superfície diferente etc...

Tunando a arma você reduz o efeito a níveis não perceptíveis ao meu ver, mas não acho que anula o efeito, pelo contrário, não acho que haja disparo sem o efeito, como mencionei sobre a bola de futebol, existe arrasto, gravidade, extremidades mais pesadas do chumbo etc...

Mas são achismos meus, não sou especialista em assunto nenhum.

Resumo: acho que está lá mas você não vê porque reduziu bastante os coeficientes diretamente proporcionais para que este ocorra.

Concordo. Mas o efeito que estamos tratando aqui, o espiralamento, que os gringos chamam de pellet wobble, é uma coisa mais dramática, diferente do efeito giroscópio ou magnus que tem em todos os disparos (que eu acho q é o que vc quis dizer com o efeito na bola de futebol, mas q no airgun é desprezível, tanto que os aplicativos de balística normalmente nem levam em conta). 

Se o espiralamento ocorresse sempre, os agrupamentos teriam POIs (em altura e lateralidade) diferentes em diferentes distâncias sempre (ou então seria impossível agrupar até). Flyers são normalmente (nem sempre) chumbos defeituosos q espiralou.

Conforme discute o primeiro artigo postado pelo Charles,  https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/.

O título do arigo é "Por que (meus) agrupamentos se movem?"

Daí no artigo ele discute como resolver o problema se acontecer de seus agrupamentos se moverem conforme a distância. Diz ainda q isso é um problema e discute as possíveis causas  e como resolver (uma seria a luneta desalinhada com o eixo da arma, outra seria o espiralamento, que também tem conserto).

Vejam este vídeo de um cara testando e escolhendo chumbos pra uma daystate:

 

Dá uma olhada na trajetória do JSB 18 que a arma dele gostou e a diferença pros outros chumbos que não harmonizaram. A diferença é brutal. Ainda sobre o q eu dizia, veja o JSB 16grains a 1000fps o que acontece. 

Meus amigos, como disse minha intenção não é polemizar. Com todo respeito, somente queria colocar que a trajetória NORMAL do chumbo é retilínea, não em espiral (embora ele gire sobre o próprio eixo etc etc). Se isto tá acontecendo desde a boca do cano é um problema a ser corrigido.

Abraços 

Edited by Toni
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 11/07/2018 em 00:09, Raufemann Fritz disse:

Resumo, não é porque eu não consigo ver ou medir, que não está lá.
Já diserram a matéria escura, bóson de higgs, neutrinos, eletromagnetismo etc...

Mais ou menos por aí mesmo. Primeiro pq é muito complicado fazer esse tipo de estudo, demanda câmeras de alta velocidade, as variáveis ambientais são enormes. Segundo porque não são muitos os estudos sérios a respeito de armas de pressão, o foco são armas de fogo.

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 11/07/2018 em 00:50, Toni disse:

Concordo. Mas o efeito que estamos tratando aqui, o espiralamento, que os gringos chamam de pellet wobble, é uma coisa mais dramática, diferente do efeito giroscópio ou magnus que tem em todos os disparos (que eu acho q é o que vc quis dizer com o efeito na bola de futebol, mas q no airgun é desprezível, tanto que os aplicativos de balística normalmente nem levam em conta). 

Se o espiralamento ocorresse sempre, os agrupamentos teriam POIs (em altura e lateralidade) diferentes em diferentes distâncias sempre (ou então seria impossível agrupar até). Flyers são normalmente (nem sempre) chumbos defeituosos q espiralou.

Conforme discute o primeiro artigo postado pelo Charles,  https://www.pyramydair.com/blog/2011/05/why-do-shot-groups-move/.

O título do arigo é "Por que (meus) agrupamentos se movem?"

Daí no artigo ele discute como resolver o problema se acontecer de seus agrupamentos se moverem conforme a distância. Diz ainda q isso é um problema e discute as possíveis causas  e como resolver (uma seria a luneta desalinhada com o eixo da arma, outra seria o espiralamento, que também tem conserto).

Vejam este vídeo de um cara testando e escolhendo chumbos pra uma daystate:

 

Dá uma olhada na trajetória do JSB 18 que a arma dele gostou e a diferença pros outros chumbos que não harmonizaram. A diferença é brutal. Ainda sobre o q eu dizia, veja o JSB 16grains a 1000fps o que acontece. 

Meus amigos, como disse minha intenção não é polemizar. Com todo respeito, somente queria colocar que a trajetória NORMAL do chumbo é retilínea, não em espiral (embora ele gire sobre o próprio eixo etc etc). Se isto tá acontecendo desde a boca do cano é um problema a ser corrigido.

Abraços 

Mas uma polêmica respeitosa e bem fundamentada é muito bem vinda, traz crescimento, novas conclusões, divulga o lado técnico do esporte. 

Pois bem, concordamos parcialmente. Realmente a trajetória NORMAL do chumbo é retilínea, fato, porém a espiral a que me refiro se dá mesmo sendo ela retilínea, é decorrente do giro no eixo, sendo observável em distâncias extremas de acordo com a power plant da carabina. Enfim. Uma boa discussão.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, Charles Dias disse:

Mas uma polêmica respeitosa e bem fundamentada é muito bem vinda, traz crescimento, novas conclusões, divulga o lado técnico do esporte. 

Pois bem, concordamos parcialmente. Realmente a trajetória NORMAL do chumbo é retilínea, fato, porém a espiral a que me refiro se dá mesmo sendo ela retilínea, é decorrente do giro no eixo, sendo observável em distâncias extremas de acordo com a power plant da carabina. Enfim. Uma boa discussão.

Fico feliz que a gente tenha uma discussão de alto nível aqui e com respeito. Muito bom!

Realmente é um problema e limitação do airgun essa questão, especialmente por conta dos baixos coeficientes balísticos do formato diabolo.

Por conta disso, a FX tá desenvolvendo um cano pra se usar slugs ou balotes, no lugar de chumbos diabolô, com passo de raia diferente. Segundo o que vi promete expandir muito além dos famosos 100 metros pra PCP, muito menos drop e menos drift pelo vento! No canal do Matt Dubber ele já demonstrou com o protótipo. Vai ser umarevolução!

Abraço

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Fico feliz que a gente tenha uma discussão de alto nível aqui e com respeito. Muito bom!
Realmente é um problema e limitação do airgun essa questão, especialmente por conta dos baixos coeficientes balísticos do formato diabolo.
Por conta disso, a FX tá desenvolvendo um cano pra se usar slugs ou balotes, no lugar de chumbos diabolô, com passo de raia diferente. Segundo o que vi promete expandir muito além dos famosos 100 metros pra PCP, muito menos drop e menos drift pelo vento! No canal do Matt Dubber ele já demonstrou com o protótipo. Vai ser umarevolução!
Abraço
 
Um cano que tenha boa performance com munição slug e muita potência seria um salto.

Sobre o assunto da espiral tentarei pegar algo em vídeo para nós, só vou aguardar uma outra carabina chegar para fazer o teste com mais de uma e em 4 níveis diferentes de potência, tipo de arma e calibre, inclusive o 6.35.
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Raufemann Fritz disse:

Um cano que tenha boa performance com munição slug e muita potência seria um salto.

Sobre o assunto da espiral tentarei pegar algo em vídeo para nós, só vou aguardar uma outra carabina chegar para fazer o teste com mais de uma e em 4 níveis diferentes de potência, tipo de arma e calibre, inclusive o 6.35.

Ehehehehe, parabéns pela Leishiy!!! 

Eu vi lá q vc ganhou! hahahaha! Essa não participei. To perseguindo a Impact. 

Filma lá e mostra pra "nozes".

Abraço

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Ehehehehe, parabéns pela Leishiy!!! 
Eu vi lá q vc ganhou! hahahaha! Essa não participei. To perseguindo a Impact. 
Filma lá e mostra pra "nozes".
Abraço
Agradecido meu caro
Deixe comigo hehehe.
Farei sim, um review em PT-BR para ela, bem como depois da instalação do regulador HumA e quero ver se consigo capturar os pellets woobles com o equipamento que tenho aqui.

Já tenho algo planejado para mesmo que seja pouco talvez dê para vermos hehehe.
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom dia Amigos,

Em minha opinião tanto o Espiralamento como o Tombamento e Etc; para entendimento precisa ser discutidos separadamente mas, para um debate sobre a trajetória de um projetil não podemos desconsiderar nenhum fator ao "Vértice", (principalmente atribuir a um determinado resultado, apenas uma fator)!

Geralmente quando fazemos isso, criamos "folclore" para os iniciantes , eu por exemplo no inicio perdi muito tempo e chumbo com folclores! kkkkkkkk!

Obs. E quando falos do "Ar Comprimido" então! Que tem tudo e mais um pouco contra sua precisão! kkkkkkkk 

Muito obrigado aos nobres colegas, sempre que há um debate em um nível elevado como esse dos Senhores, sempre ganhamos! Principalmente os inciantes e os veios já preguiçosos como Eu. kkkkkkkkkk

Forte Abraço!

Evaldo Lucena

 

 

Edited by Evaldo Lucena
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bom dia Amigos,
Em minha opinião tanto o Espiralamento como o Tombamento e Etc; para entendimento precisa ser discutidos separadamente mas, para um debate sobre a trajetória de um projetil não podemos desconsiderar nenhum fator ao "Vértice", (principalmente atribuir a um determinado resultado, apenas uma fator)!
Geralmente quando fazemos isso, criamos "folclore" para os iniciantes , eu por exemplo no inicio perdi muito tempo e chumbo com folclores! kkkkkkkk!
Obs. E quando falos do "Ar Comprimido" então! Que tem tudo e mais um pouco contra sua precisão! kkkkkkkk 
Muito obrigado aos nobres colegas, sempre que há um debate em um nível elevado como esse dos Senhores, sempre ganhamos! Principalmente os inciantes e os veios já preguiçosos como Eu. kkkkkkkkkk
Forte Abraço!
Evaldo Lucena
 
 
E qdo o chumbo quebra a barreira do som...???

Enviado de meu SM-J710MN usando Tapatalk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Seguindo o topico, show de bola, Parabens Charle, Toni, e Alemão, como disse o Toni isso q precisamos no esporte, discutir com respeito e bastante matéria!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...

Cometa 220.jpg