Jump to content

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

MarcosP

Members
  • Content Count

    57
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    4
  • Country

    Brazil

Everything posted by MarcosP

  1. Pelo que sei, a semente já está plantada.. Há uns "2" anos, o próprio EB fez uma minuta de regulamentação que foi chamada de "novo R-105", onde lunetas não constavam na lista dos PCE, e mandou pro Temer. Não tivemos noticia por um bom tempo, até que em set/18 saiu um decreto, onde também não constavam como PCE. Este decreto era pra entrar em vigor 6 meses depois, em mar/19. Não sei os porquês, mas o Bolsonaro suspendeu por mais 6 meses, remetendo para set/19. Vamos torcer para que nesta confusão de decreto vai/decreto vem a semente realmente brote.
  2. É um tubo interno de alumínio, com pouco mais de 2 cm de comprimento, diâmetro externo de uns 35mm e parede muito fina (0.5mm?), e que fica na parte de trás da luneta (+ 0 -). Falando com a Hawke, este modelo foi descontinuado e ela não tem mais a 'visão explodida', mas se referiu a esta peça como 'eyepiece tubing' (que ela não tem, nem de outros modelos serviria). Quando quebrou este tubo, ficaram soltos e saíram: - o anel externo traseiro de ajuste de foco (com uma pequena parte do tubo quebrado presa dentro), duas lentes, um O-ring fininho e um tubo de plástico; a outra parte quebrada, maior, restou bem presa (aparentemente rosqueada) no interior da luneta.
  3. Olá. Estou precisando uma peça para luneta Hawke Sport 4x32 AO. Pode ser peça usada, por exemplo, de uma luneta descartada. Alguma dica de onde procurar?
  4. Repartindo uma novidade para mim, e que pode ser útil a outros. Quando não temos uma luneta com ajuste de parallax, ela vem de fábrica com o parallax zerado/fixo para uma determinada distância, mas que pode ser fora de nossas distancias habituais. Supostamente, se formos capazes de retirar o anel frontal da luneta teremos acesso a uma lente roscável. Rosqueando esta lente para dentro ou para fora teríamos um efeito de mudar esta distancia do 'parallax zero'. Uma vez ajustada para a distância preferida, seria só recolocar o anel frontal. Tenho uma luneta candidata (Hawke 4x32), ainda não tentei, não sei se a lente ficaria 'frouxa', e necessitaria de algum travamento (tipo Loctite ou similar). Seria interessante se alguém que tenha experiência neste assunto pudesse complementar.
  5. Fui informado deste fornecedor da Austrália, mas, por ora, não estou precisando comprar estes produtos. Ele sabe que o custo de frete é o grande problema para o seu negócio, e tenta diminuir; tem de ter paciência para o prazo de chegada. Tem também uma graxa com alto teor de molibdênio, o que já tive dificuldades de achar no passado. Fica o link para quem se interessar.. https://www.customairseals.com/
  6. Encontrei esta comparação.. https://www.gatewaytoairguns.org/GTA/index.php?topic=139852.new#new
  7. Welcome to Brasil, Will! City? Did you bring some gear? Please give a general idea about your airgun related interests. Unfortunately, by here (Brasil .. and Forum) no hunting at all.. Btw, this is an excellent place to practice your .. Portuguese ? Marcos
  8. Um amigo importou uma AT44 QE (quiet energy) que não está grupando. Depois de várias tentativas.., ele resolveu parar e fazer um checkup geral no rifle em um 'armeiro de confiança'. Por ora, a questão é focada em saber apenas se - o rifle - estaria com algum problema. Em SP/Capital (ou arredores), quais armeiros ele poderia procurar para este checkup geral em uma PCP? Obrigado.
  9. O dono já fez várias tentativas com este rifle 0 km.., e continuou sem grupar. Resolveu parar e fazer um checkup geral em 'armeiro de confiança'. Eu não tenho experiência com possíveis problemas técnicos neste tipo de rifle, nem sei indicar alternativas de armeiros em SP/Capital. A primeira providência é saber apenas se - o rifle - estaria com algum problema, e, se estiver, resolver. Quando - o rifle - for considerado ok (inclusive que chumbinho não resvala..), então serão considerados os demais fatores de sempre.. - cronógrafo, chumbinho, luneta, apoio, atirador, etc. A primeira questão é apenas saber se o rifle está realmente em ordem, e, portanto, quais armeiros em SP/Capital ele poderia consultar. Obrigado.
  10. Um amigo importou sua primeira airgun, uma AT44 QE (quiet energy) que não está grupando (chumbos JSB). Em SP/Capital, quais armeiros de confiança ele poderia procurar para fazer um check up geral?
  11. Repartindo o aprendizado.. Coloquei a questão genérica de "QE + supressor..?" em um fórum dos EUA. Dois caras experientes - NÃO recomendam! Em geral, o alinhamento entre a shroud (QE) e o cano nunca é 'perfeito'. Portanto, como o supressor seria colocado na ponta da shroud, aumentando o comprimento, haveria a tendência do chumbinho resvalar no supressor ("clipping"). Quando eles querem deixar uma PCP 'QE' mais silenciosa, retiram a shroud original e substituem por um supressor de boa qualidade.
  12. Nunca tive PCP, mas um amigo comprou uma AT44 short QE. Quando ele me explicou o QE, fiquei com a dúvida se um supressor adicionado na ponta do cano teria um efeito – relevante - para diminuir ainda mais o ruído. Ou, já sendo QE um supressor não iria mudar quase nada?
  13. Olá. 

    Um amigo comprou uma AT44 short 5.5mm QE e tive uma dúvida 'técnica'. 

    Mesmo já sendo QE (quiet energy), se for adicionado um supressor na ponta do cano reduziria ainda mais o ruído, e - de forma relevante? Ou, no caso de já ser QE quase não faz diferença?

    Grato,

    Marcos

  14. Sempre na minha opinião .. Na hipótese de que você ainda não tem experiência, estaria entrando numa - armadilha - onde não existe saída, e ainda vai gastar muito mais do que está imaginando. Rifles de mola (aço ou gas ram) com alta potência têm recuos maiores, e, são MUITO difíceis de atirar - repetidamente - bem, com ou sem luneta; mesmo a distâncias inferiores a 50m. Também, eles sempre inutilizam as lunetas; é só uma questão de número de tiros. Mesmo não 'quebrando' (p.ex., retículo), uma luneta fica inútil quando não segura mais a regulagem devido aos recuos da arma. Se você comprar uma luneta 'melhor' (supostamente 'mais resistente'), quando ela ficar inútil não terá garantia no Brasil. Se você usar um suporte de luneta com algum tipo de amortecimento de recuos, ele apenas pode prolongar a vida útil da luneta (um tanto a mais de tiros), mas não vai evitar que ela acabe inutilizada. Seus caminhos para tiros 'úteis' a 50m ou mais podem ser dois: - pagar "menos" agora por um rifle de mola, gastar sucessivos valores com mounts/lunetas que acabam não atendendo, e ficar frustrado; - (esperar, poupar mais) comprar uma PCP (recomendada) + acessórios.., comprar mount/luneta (que podem ser mais simples), e acabar atingindo seus objetivos. Se for uma pessoa que vai persistir até atingir seus objetivos de um alto % ('consistência') de tiros 'úteis' a 50m ou mais, o caminho de uma PCP é o único possível, começa mais caro, mas acaba custando menos. Com alta potência, um rifle de mola é apenas para atiradores com bem mais experiência e que aceitam o desafio de - tentar ser consistente. Em tempo, opte pelo cal. 5.5 mm. MUITO mais facilidade de comprar armas e chumbinhos de boa qualidade.
  15. A grosso modo, desde uns 2 anos pra cá o EB não conseguiu oficializar uma sua proposta de um "novo R 105" onde, pelo que me lembro, quaisquer lunetas deixavam de ser 'produto controlado'. Alguém sabe se o assunto ainda estaria tramitando, ou foi negado/engavetado de vez?
  16. Pesquisando no Brasil, as ‘long’, madeira ou sintética, estão em falta. Elas teriam muito mais procura? Só por causa da potência maior?
  17. Dá para TENTAR por telefone na DFPC - para solicitar ao atendente que "tem um email pendente SEM resposta do dfpcresponde..", e pedir pra ele ajudar a achar o email. VÁRIOS dias de tentativas apenas para - o telefone ser atendido, mas, persistindo, consegui chegar nos meus objetivos. Do site da DFPC: Telefone: (61) 3415-6230 Horário de atendimento: Segunda a Quinta-feira: de 09:30 às 11:30 hs e de 13:00 às 16:30 hs Sexta-feira: 08:30 às 11:30h ............................................ Minha 1a pergunta a você foi sobre o valor da arma.. No meu caso, quando a importação era de "até US$ 500" (incluindo frete), era uma coisa bem específica. Eu pesquisava no site dos Correios para achar a empresa contrapartida - país tal/transportadora tal. Então, convencia (..) o lojista a mandar pela 'empresa de postagem' local - contrapartida dos Correios no país de origem. Era retido pelos Correios - no Rio de Janeiro, e eu me entendia com a SFPC 1a região para fazer o processo de desembaraço. Pelos Correios é MUITO mais simples o desembaraço (..), mas não sei se é possível, ou tão mais fácil, quando o 'valor total' é - maior que US$500. Outra limitação dos Correios são as dimensões da embalagem. Com comprimento máximo de 110 cm (se bem me lembro), convenci um lojista que separasse a coronha de um rifle e embalasse em duas partes numa embalagem de até 1m .. deu certo. Depois de ter GRANDES dificuldades e custos com desembaraços 'em aeroportos' (com e sem despachante aduaneiro), pesquisei no site dos Correios o que dava pra importar.., e as instruções. Estas flexibilidades com lojistas eu consegui em certas lojas na Europa, me parece que nos EUA é muito difícil para os lojistas saírem da própria bitola.. Ou seja, paciência, tempo, muita pesquisa, e persistência.. Não deu aqui.., tenta ali.. Se tiver tempo e disposição para encarar.., é olhar o desafio como uma gincana burocrática, onde cada tarefa é uma novidade a decifrar. Mas, sim, dar bingo é possível.
  18. Convém você dar uma confirmada por email no dfpcresponde@dfpc.eb.mil.br
  19. Veja se os preços no Paraguai realmente compensam a economia de frete. Só pra saber.. Quando vc viaja ainda sem decidir - se ou qual arma vai comprar, existe uma flexibilidade para armas de ar comprimido (até 6mm?) que é vc poder trazer como bagagem acompanhada sem ter ainda o CII; ela ficará retida na alfândega/RF e você pode providenciar o CII - depois.
  20. Me parece que vc pode ir por partes.. Se você decidiu mesmo a arma que quer importar e tem segurança para o resto do preenchimento do CII, poderia insistir com a Mundilar para saber - a transportadora, confirmava o aeroporto, preenchia o CII e enviava para protocolo. Pelo menos, a 'coisa' estaria andando, com os custos da taxa do CII e dos Correios. Se estiver tudo OK, no ano passado levava uns 2 ou 3 meses para um CII ser deferido, e você tem validade de 6 meses para usar. Tudo somado, dá um bom tempo para ir repensando..
  21. Sugiro que vc tente saber com a Mundilar qual a transportadora; depois, é perguntar aqui na transportadora em qual aeroporto internacional ela opera no Estado de SP. P. ex., pela FedEx chegava sempre em Viracopos, pela DHL chegava em Guarulhos. Precisa ver se não mudaram..
  22. Baseado na minha (relativamente pouca) experiência pessoal, esta questão é chata, complicada e tem a ver com o desembaraço alfandegário ("DA") a ser feito por 'qual' pessoal do Exército (pode mudar com o aeroporto de chegada). Para começar.., uma coisa decisiva é - qual o valor do rifle em US$ ?
  23. Obrigado, unzioto, mas meu post foi apenas para tentar saber a opinião de outros aqui do CA sobre aquela determinada alternativa. Apenas como informação, dentre os importados me parece que este fabricante seria bem mais confiável, mas esta confiabilidade tem seu preço.. https://www.nitesite.com/
×
×
  • Create New...

compressor-pcp-cilindros-scuba-220v-auto-stop-ajustavel-4500psi-300bar-30mpa-01.jpg