Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Pata do Sul

CA Gold
  • Total de itens

    51
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    16
  • País

    Brasil

Pata do Sul venceu a última vez em Março 17

Pata do Sul had the most liked content!

Reputação

65 Excelente

Sobre Pata do Sul

  • Rank
    Atirador
  • Data de Nascimento 05-06-1987
  • Age 31

Informações do Perfil

  • Website URL
    @patadosul
  • Sexo
    Masculino
  • Sua Localidade
    Santa Catarina
  • Interesses
    PCP benchrest
  • Age 31

Últimos Visitantes

226 visualizações
  1. Hoje terminei de soldar, esmerilhar e limpar respingos de solda. Fiz os pés. Soldei os fusos por baixo das chapas base. Fiz um encaixe para chave 19 para poder girar os fusos. Giro o fuso com a chave 19 e faço o travamento da contra porca com a chave 1.1/2". Coloquei o tampo sobre a estrutura e posicionei ele. Logo vou marcar e abrir as roscas M10 na estrutura para fixar o tampo.
  2. Removi a bucha plastica, agora tenho o furo na medida certa para o parafuso de fixação do tampo na estrutura.
  3. A estrutura da mesa. Materiais... Tubo metalon 80 x 80 x 3 mm. Chapas de 3/8" para flanges e tampas de tubo e redondos de chapa 5/8" para os pés. Fuso diâmetro 1" para os pés. Parafusos M16 para fixação do flange. Parafusos allen escariado M10 para fixação do tampo. Estrutura já montada, faltando terminar de soldar e fazer os furos para fixação do tampo e os pés. Detalhe do flange... Bases niveladas para acomodar o tampo... Na parte de baixo, porcas 1" aonde serão rosqueados os fusos dos pés.
  4. Botei o tampo pra rua hoje. Ai já esta com o lado certo para cima. Vou deixar ai até fazer a estrutura.
  5. Resolvi fazer meu canto para atirar aqui em casa. Existe uma parte do terreno que consigo atirar até uns 40~45 metros (ainda não medi ao certo) Vou fazer uma pequeno piso de concreto e colocar uma mesa para atirar. Domingo passado comecei a fazer o tampo. Usei uma chapa de eucatex e alguns perfis de pinos pra fazer a caixa/molde... Coloquei 3 pinos para que o concreto fique vazado aonde irão os parafusos de fixação do tampo... Ferragem com vergalhão 1/4"... Usei 3 bolsas de 25 kg de Supergraute da Quartzolit. Concreto fluido, sem pedras. Bom que ele atinge uma resistência superior à um concreto comum 1/3. Aqui foi logo após despejar o graute. Como ele é alto nivelante, só despejei até que chegasse na altura certa. Esperei umas horas para ele começar endurecer e dei uma reguada, pra conferir o nível certo. Não da pra reguar com ele ainda fluido, pois ele parece muito com uma argamassa, bem grudento. Aqui já no dia seguinte. Já deu aquela puxada na água. Coloquei mais água. Vou seguir molhando por alguns dias para que fique bem resistente. Logo desmondo ele, mas ainda vou seguir molhando até que ele pare de puxar água. Segundo o fabricante, o Supergraute pode atingir 50Mpa após 28 dias. Continua...
  6. A PCP foi enchida com 200 bar. Até o grupos de número 18 o manômetro estava em 100 bar. Da pra notar como após os grupos 15 ~ 16 os grupos subiram um pouco, isso devido a pressão de trabalho da reguladora estar em 115 bar. Da pra concluir que com o cilindro partindo de 200 bar a autonomia da PCP é de ~70 tiros. Obs. Eu coloquei o retículo da luneta para mirar bem para cima, por isso não tem os pontos de referência nesse alvo. Com isso eu deixo uma folha só para referência e coloco no pé dessa folha essa folha colada sobre uma chapa de MDF para poder ver bem os impactos. Nesse caso boto a folha apenas em branco para os disparos. Faço isso só pra testes mesmo.
  7. Grupos feitos hoje, 10/02/2019. Eu dei uma trabalhada no gatilho depois dos últimos tiros postados aqui, deu uma melhorada boa, mas com o decorrer do uso ele não ficou legal. O aço das peças não é muito bom, não consigo deixar ajustes muito finos nas partes de contato entre as peças. Usando hoje, o gatilho começou a perder a sensibilidade. Dava pra notar claramente que o peso da puxada variava muito de um tiro pra outro, chegando a ficar muito pesado em alguns tiros. Com isso resolvi testar o gatilho no free recoil, com diversas posições de encaixar o dedo nele. Claramente o ponto de impacto variava muito nos tiros e pela tecla agora sem um simples pino diâmetro 4 mm liso, fica impossível encaixar o dedo de uma maneira padrão em todos os tiros. Um gatilho assim com tecla simples só funcionaria no free recoil caso este gatilho fosse bem sensível, disparando com pouca pressão. Próxima providencia agora é fabricar um gatilho novo com um aço mais indicado para isso, ai poderei fazer um bom tratamento térmico das peças, deixando cantos vivos nas partes de contato, permitindo assim fazer ajustes de desarme mais finos e consistentes. Segue os grupos à 25 metros. 5 tiros por grupo.
  8. Parabéns meu amigo, seu trabalho está ficando lindo. É muito bacana ver uma pessoa caprichosa como vc, eu como atirador de Benchrest confesso que fiquei doido pra ver essa carabina de perto depois de pronta. Grande Abraço Alessandro Trevizano

  9. Parte 2 da fabricação da coronha. Ajustes e acabamento.
  10. Cilindro enchido com 200 bar da pra fazer coisa de ~40 tiros.
  11. Os parafusos que prendem os anéis no trilho eu dei um aperto de 20 lbs, já é o suficiente. Os parafusos que prendem no tubo da luneta, vou usar coisa de 15 lbs.
  12. Ajustando os anéis da luneta... Para os primeiros testes acabei usando os anéis com aquela fitas que vem coladas por dentro deles com um torque menor de aperto. Más agora tirei essas fitas e fiz o alinhamento deles. Comecei marcando os anéis e suas posições. T para o traseiro e F para o frontal. Também fiz uma seta para indicar qual parte deles deve estar apontado para frente. Isso vai me servir para eu remontar a parte de cima quando for tirar a luneta. Desmontar eles do trilho é mais raro, mas também fiz as marcas ali caso precise remonta-los no trilho. O anel dianteiro deixei um pouco recuado para que possa ter acesso aos parafusos que prendem o cano. O parafuso que segura o breech fica escondido, mas este acredito que não será mexido com frequência. Ferramentas usadas para lapidação; uma barra de aço no diâmetro certo do corpo da luneta e pasta grossa de lapidar válvula. Isolei toda o castelo, deixando apenas os anéis para fazer o trabalho de lapidação. Coloquei a paste de lapidação nos anéis... Montei a barra e a parte de cima dos anéis. Com isso vou "escovando" com a barra e fazendo o aperto dos anéis aos poucos conforme o decorrer do trabalho de lapidação. Pausa na lapidação e limpeza da pasta para conferir o progresso do trabalho. Da pra notar claramente como esses anéis não abração o corpo da luneta de maneira correta, exatamente por isso os anéis vem com aquela fita colada por dentro, para compensar esse desalinhamento. Isso é compreensível, devido serem anéis baratos. Costumo fazer a lapidação até que uns 90% dos anéis estejam fazendo o contato com a barra. Agora é só montar a luneta sobre ele com um bom torque de aperto sem medo de danificar a luneta. Talvez no caso de PCP o torque possa sem menor nos anéis e as fitas de compensação façam o trabalho, mas não me custa nada fazer o trabalho do jeito certo.
  13. Mais uns grupos feitos hoje... com as mesmas configurações dos tiros feitos ontem. No primeiro post aqui eu postei uns ajustes que fiz no gatilho. Mas no decorrer da coisa, com mudanças que fiz, tive que substituir o martelo e mola daquela primeira versão. Usei uma mola mais pesada e isso deixou o gatilho mais pesado. Esta um pouco difícil de controlar a carabina do jeito que esta o gatilho, com ~700 gramas. Vou desmontar ele assim que possível e fazer o polimento dos contatos e ver se isso melhora ele. O projeto do gatilho da M22 parece bom, com uma barra de ligação entre a tecla e o sear, o que parece deixar ele mais seguro.
  14. Depois de várias modificações e testes de velocidades. Quase 400 tiros e vários desmonta, remonta, modifica martelo, troca martelo, troca mola do martelo... hoje fiz os primeiros tiros em 25 metros. Por hoje foram 2 grupos de 5 tiros cada, usando chumbo JSB Exact Heavy 18 grains. Martelo de 30 gramas com uma mola modificada, dando velocidade média de ~930 fps.
  15. Acabei comprando uma bomba de enchimento manual, até que eu ajeite o cilindro de mergulho. Com isso resolvi montar a PCP para fazer uns primeiros tiros, até pois estava curioso pra ver, pois nunca havia atirado com uma antes. Montei a reguladora sem medir a pressão de ar que esta saindo no tiro... farei essa medição em breve quando tiver a ferramenta pronta. Montei a PCP dentro da oficina mesmo. Botei o cronógrafo e um para-balas pra ver o que estava dando de velocidade. Primeiros 3 tiros velocidades estavam tão baixas que nem penetraram na madeira mole. Dei uma apertada na mola do martelo e dei os 5 tiros (anotados à esquerda). Depois mais 5 (à direita). Achei estranho a mudança de velocidades... fui conferir e o oring de vedação do ferrolho havia se rompido. Quando botei o oring ali, não imaginei que a força do ar poderia rompe-lo, coisa de principiante hehehe. Realmente do jeito que fiz, o oring ficou livre pra se expandir para fora. Deveria ter ficado montado com limitações para todos os lados. Quando olhei estava assim... nem vi o oring saltar ... Depois disso desmontei a PCP e coloquei um oring assim. Agora ele entra no furo da peça de latão quando o ferrolho fechado. Agora é fazer mais uns tiros pra ver se isso ficou bom.
×
×
  • Criar Novo...