Ir para conteúdo

ANUNCIANTES

Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada Imagem Postada

Líderes


Conteúdo Popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 07-12-2018 em todas áreas

  1. 4 pontos
    Bom dia a todos, como havia dito ao Thiago Pacheco em abril passado, assim que terminasse a reforma da El Gamo 300 iria postar o antes e o depois, deixando-a apta, "a velha senhora" para muitos anos mais.... Um breve relato sobre a carabina em questão, ela foi adquirida em março deste ano, como o anunciado pelo vendedor, ela havia passado por "uma reforma", toda sua estrutura metálica estava pintada em preto fosco e sua coronha envernizada com um leve tingimento de vermelho, esses detalhes podem ser vistos nas fotos abaixo. O sistema de mira estava bem comprometido, a massa completamente detonada e a alça com o graduador de lateralidade faltando. Fiz uns dois ou três disparos e percebi que ao fechar o cano era produzido um barulho estranho no trinquete. Após essas constatações resolvi desmontá-la completamente. Remoção de toda pintura com thinner, deixando-a no metal, onde pude constatar que apesar dos anos ela não havia sofrido de corrosão, somente alguns pontinhos, que foram retirados com o lixamento, mas o que me chamou a atenção foi pontos de erosão do metal na parte inferior do cilindro, parte essa que fica protegida pela biela, local esse que não está em contato nem com a madeira da coronha e tampouco com o suor das mãos de quem a portava. Esse detalhe ficou para preservar sua história e que em nada prejudicaria sua conservação ou seu funcionamento. A reforma começou pela coronha, removendo o verniz antigo com uma lâmina e efetuando o lixamento com lixas 180, 220 e 320, umedecendo entre um ciclo e início do outro até obter uma superfície bem lisa ao tato, o que foi relativamente fácil devido as caraterísticas e qualidade da madeira utilizada em sua confecção. Após essa etapa foi a vez de aplicar o Tru-Oil, foram nove demãos ao todo, em algumas depois de seco lixei com Bom-Bril e a última passei uma lixa 1200, bem suave para obter uma superfície completamente lisa e com semi brilho. Quanto as ferragens, cano e cilindro, estes foram lixados com lixas 220, 320, 400 e 600, foi um processo lento tudo manual e demorando, ainda mais por estar reformando e restaurando outras duas carabinas, antigas Rossi Dione, uma restaurada datada de VIII/80 e a outra reformada, esta deve ser de meados dos anos 70. Parafusos e pinos foram recuperados com lixamento usando lixa 320. Polimento do cilindro internamente com lixa 320, retirada de rebarbas da usinagem do "transfer port" com lixa 320. O acabamento final da parte metálica foi executado de três maneiras distintas, parafusos, pinos e pistão, foram oxidados após aquecimento e mergulhado em óleo, a caixa do gatilho, túnel da massa de mira e alça de mira com Super Blue, cano, biela e cilindro, com oxidação a quente por imersão em solução cáustica. As peças de reposição utilizadas foram em sua maioria originais da Gamo, alça de mira - modelo Delta - , massa de mira em fibra óptica - modelo Hunter/ Big Cat - , mola helicoidal Gamo com 34 elos, vedação do cano original Gamo, tampa do cilindro - modelo Big Cat 1000, bucha do pistão em P.U. modelo Gamo 68 da Elite ( não houve necessidade de qualquer ajuste para o cilindro) e parafuso Allen cabeça chata para fixação a bucha de P.U.. Na montagem foi usado graxa de lítio para lubrificação da mola, cilindro parte externa, guia da mola, culatra, trinquete e sua mola. Bucha de P.U., parafuso da articulação do cano, arruelas do bloco e sistema de gatilho, foi utilizado pasta G. A mola foi encamisada com flime de raio X. Por conta da substituição do poste ausente da massa de mira por fibra óptica, optou-se pelo uso da alça de mira também em fibra óptica, apesar de ter recuperado a parte faltante da alça original. Finalmente certificando a qualidade e características desta maravilhosa carabina, que no passado foi produzida neste país, com seus primeiros disparos pós reforma. A seguir fotos do antes e o depois:
  2. 2 pontos
  3. 2 pontos
  4. 2 pontos
    Olá a todos, Quero partilhar a minha review da Weihrauch HW50s Stainless e que é, na minha opinião a melhor arma de mola da Weihrauch e até mesmo de todas as outras marcas. Se só pudesse ter uma arma de ar comprimido, seria esta com toda a certeza. Espero que gostem: Tags / Keywords / Palavras Chave - .177, 4.5 mm, Ar, Arma, carabina, chumbo, Competição, Comprimido, Gamo, Piratices, Portugal, Pressão, Prova, Recreio, Tiro, Weihrauch, Pressão, Pressao, Brasil, HW, 50, 50s, Stainless, Hawke, Panorama, 3-9x40, AO, Versatilidade, Versátil, Iniciação, iniciacao, Mira, Treino, Desporto, BR, Bench, Rest, Luneta, Telescópica.
  5. 1 ponto
  6. 1 ponto
    Bom dia Srs, gostaria de compartilhar algo que achei hoje durante a madrugada. O vídeo é longo mas vale a pena!!
  7. 1 ponto
    E isso ai pessoal, vamos manter viva nossa OP. Sei que passamos por momentos difíceis, todos tem seus problemas e é compreensível. Mas tenho certeza que todos concordaram que uns tirinhos são uma bela forma de esquecer mesmo que momentaneamente nossos impercausos. Abraço e conto com todos. Enviado de meu Moto Z2 Play usando o Tapatalk
  8. 1 ponto
    Estava assistindo predador e uma cena me chamou a atenção. A tia da foto precisa atirar um dardo tranquilizante no predador. E adivinha que arma adaptaram para o ambiente futurista do longa metragem?
  9. 1 ponto
    Boa notícia para os atiradores de pressão que gostam de gravar em vídeo o que vêm através de suas lunetas, o scopecam 100% nacional da Bellic 3D que deixa no chinelos os scopecam importados. Veja o review exclusivo.
  10. 1 ponto
  11. 1 ponto
    Boa tarde pessoal, minha CFX e a luneta acabaram de chegar aqui em casa, achei legal compartilhar com vocês informações sobre compra e a carabina, posteriormente devo postar minhas primeiras impressões, porem antes vou instalar o gás ram. Como nunca instalei nada em carabinas estou meio apreensivo mas vi alguns videos e não achei complicado. Essa semana vou montar um compressor de molas e instalar o gás 40kg pistão aliviado da elite (advanced). Enfim, Fiz a compra na Aventura Mix no ML, vendedor bastante atencioso e envio bastante agilizado. Fiz uma inspeção visual bem minuciosa e tanto a carabina como a luneta vieram perfeitinhas, sem nenhum arranhão , marcas nem nada disso (Lembrando que comprei nova, mas mesmo assim é bom conferir), e ainda mandaram alguns chumbos technogun de brinde husadhaushdsua. Caso alguém tenha dúvida sobre a loja e a transportadora (Jadlog) espero ter ajudado. No mais agora estou oficialmente no grupo dos carabineiros.
  12. 1 ponto
    Quando a Theoben fechou alguns engenheiros saíram da Theoben e fundaram a RAW (Rapid Air Weapons, clara alusão à uma das carabinas da Theoben). A RAW faz justamente armas voltadas ao BR. Pois bem, no fim do ano passado a RAW anunciou que vai voltar a produzir as armas Theoben (não especificaram o modelo, imagino que seja a Rapid mesmo). Só não me pergunte que cano será utilizado... Enviado de meu Moto G (5) usando Tapatalk
  13. 1 ponto
    Já tive 5 Steyrs e no Brasileiro de cada 20 atiradores, 15 estavam com Steyr. Atualmente estou participando com uma Daystate AirWolf MCT. Custei muito para encontrar esta maravilha. Na minha Humilde experiência, já atirei com várias Daystate e não são muitas as super precisas, não sei se foi uma série ruim ou o que seja. Vários amigos compraram para fazer USBR e se arrependeram. Mas esta é surpreendente, tanto na precisão, como na facilidade de tiro. Mesmo com chumbo JSB Heavy direto da lata, é impossível fazer menos de 246 pontos e quando não é 10, é 9. nunca 8 ou 7. As Theobens, parece que não são mais fabricadas. As antigas vinham com cano Anshultz e eram excelentes. Depois passaram a ser fabricadas, citando o manual, " com cano alemão de alta qualidade". Traduzindo Lothar Walther Matchgrade. Vou para o caixão com ela rsrsrsrsr.
  14. 1 ponto
    I. Finalidade Descrever de forma detalhada as regras técnicas e a execução das provas de Hunter Field Target, que simulam uma caçada rústica em ambiente inóspito. II. Desenvolvimento a. Categorias Todas as provas serão disputadas nas categorias: Homens e Mulheres Principal todas as idades Portadores de necessidades especiais (Homens e Mulheres) Para-atleta todas as idades b. Provas Mola: Todas as armas cuja propulsão ocorre por ação de mola, independente de peculiaridades ou dispositivos complementares. Gás: Todas as armas cuja propulsão ocorre por ação de ar pré-comprimido, CO2, ou outro gás. c. Armas, Munições e Acessórios Poderão ser inspecionados a qualquer momento pelo Diretor da Prova (antes, durante e após a prova). É permitido o uso de carabinas de pressão por ação de mola ou gás de qualquer calibre não superior a 5,5mm. Fica limitada em 42 Joules para o calibre 5.5 e 24 Joules para o calibre 4.5 a energia das armas. É permitido o uso de dioptros e outros dispositivos de mira ótica que não projetem luz sobre o ponto de impacto no alvo. Não são permitidos sistemas de telemetria. São permitidas somente munições constituídas em sua totalidade por liga de chumbo dúctil, podendo, no entanto assumir o formato e peso que o participante desejar. O atleta poderá solicitar, no decorrer da prova, a substituição de sua arma por outra com as mesmas características da que vinha competindo e tenha sido previamente vistoriada. Não pode ser usado qualquer tipo de assento fabricado. Será permitido sentar diretamente no chão ou em obstáculos naturais como pedras, troncos, etc. O atleta poderá utilizar pedra, cupim ou outro recurso natural como apoio para o corpo. Não é permitido o uso de vestimentas específicas de tiro, como é o caso, por exemplo, dos casacos de tiro utilizados em provas da International Shooting Sport Federation (ISSF). É proibido o uso do arreio de pernas e de bandoleira. A bandoleira será permitida apenas para o transporte da Carabina. O Bi-pé será permitido apenas para apoio de descanso da arma. Durante o procedimento de tiro, especialmente na posição deitado, o mesmo deverá ser dobrado ou recolhido É permitido o uso de luva acolchoada ou não com espessura máxima de 1,5 cm. É permitido uso de Carabina com "acessório hamster", e de coronhas não originais de fábrica, que tenham ou não aumento da telha, desde que a distância do ponto mais baixo do hamster ou da telha não exceda a 20 cm até o centro do cano da arma (50% de seu diâmetro interno). d. Alvos Os alvos serão réplicas de silhuetas de animais, podendo ser em tamanho real ou em escala. No alvo haverá uma área perfeitamente circular simulando o local anatômico de acerto fatal ou instantâneo, doravante chamado de “kill zone”. Para efeito de pontuação válida o alvo deverá ser atingido na “kill zone” que desarmará a silhueta, derrubando o mesmo. Os alvos deverão possuir sistema de rearme manual à distância. As “kill zone” devem ser pintadas numa cor contrastante com a silhueta, de preferência na cor amarela, rosa fluorescente ou branca. Não é permitida “kill zone” nas cores verde ou vermelha, tendo em conta a participação de praticantes com daltonismo. A cor do alvo pode ser preta ou branca, sempre com grande contraste com a “kill zone”. Os alvos devem desarmar durante o teste com uma força nominal de 300g, medidos pelo estesiometro de semmes wiestein vermelho magenta (equivalência de tensão normal de compressão de 229 g/mm²) ou dispositivo similar devidamente aferido. Em caso de dúvida ou mau funcionamento do alvo, o Diretor de Prova deverá testar o mesmo. Caso o problema seja de imediata solução, será concedida uma segunda rodada de tiros no alvo para o atleta reclamante. Alvos testados e reprovados ou avariados sem possibilidade de manutenção imediata serão desclassificados e a pontuação obtida nos mesmos não entrará na contagem final dos pontos. As “kill zone” serão obrigatoriamente redondas. A seguir a relação de “kill zone” com a distância máxima a ser usada: “Kill zone” Distância máxima 15mm 15m 16 a 20mm 20m 21 a 25mm 25m 26 a 30mm 30m 31 a 40mm 40m 41 a 50mm 50m Obs.: Para ajustar a “kill zone” à padronização acima poderão ser usados obturadores. e. Distâncias Os alvos deverão ser fixados em distancias de 9 (nove) a 50 (cinquenta) metros do posto de tiro. f. Posições O atleta poderá escolher livremente entre as posições abaixo, qual utilizará para efetuar o disparo, seja por questão de conforto ou necessidade técnica. Deitado Em pé Sentado Ajoelhado (não é permitido apoiar a lateral do pé no chão). Em qualquer das posições de tiro é permitido apoiar a arma no próprio corpo ou em objetos naturais (não manufaturados). É permitido ao atleta apoiar o corpo em obstáculos naturais existentes no posto de tiro. Não é permitido o contato de qualquer parte do corpo do atleta com elementos manufaturados do posto de tiro como, por exemplo, postes e fitas de demarcação, etc. Os cadeirantes farão todos os tiros da própria cadeira de rodas. Nenhuma parte do corpo do atleta pode ultrapassar a linha limite do posto de tiro, exceto o(s) braço(s) enquanto estiver empunhando a arma para efetuar o disparo. Não são permitidos quaisquer ajustes ao equipamento de tiro, incluindo o hammster ou ajustes na coronha após a verificação do equipamento pelo Diretor de Prova. Não é permitido qualquer ajuste na luneta ou sistema de alça-massa de mira após o início da prova. g. Tempo O atleta terá, em cada posto de tiro, um minuto por alvo + um minuto extra do posto. Por exemplo, num posto com um alvo o atleta terá dois minutos e num outro posto com três alvos ele terá quatro minutos. Após todos os membros do esquadrão terem concluído seu(s) disparo(s) e o posto seguinte estiver liberado, o referido esquadrão estará automaticamente autorizado a se deslocar. Casos especiais e exceções serão autorizados em primeira instância pelo Árbitro de Prova e, caso necessário, em segunda instância pelo Diretor de Prova. h. Pontuação Para cada alvo derrubado será contado 1 ponto; A súmula deverá ser marcada com “X” para os acertos e com “0” para os erros; O acerto só será computado se o alvo cair; Qualquer disparo após o comando de carregar será computado; O atleta tem direito a efetuar um disparo por alvo, independente do equipamento que esteja utilizando; O atleta poderá solicitar ao Árbitro autorização para descarregar a arma; Qualquer descarga, sem autorização do Árbitro, será penalizada como “0”; i. Desempates i.1) Individual, no Provas On-line: Pela natureza deste tipo de evento, não haverá desempate. Caso ocorra, as posições que estiverem empatadas receberão a mesma colocação, independente da localização da mesma, excluindo-se as posições seguintes, tantas quantas vezes forem as repetições desta ocorrência. Ex.: 1º João da Silva 292 2º Rogério dos Santos 291 2º Gustavo Silveira 291 4º Sandro Lopes 289 i.2) Individual, na final do Campeonato Brasileiro e nos eventos exclusivamente presenciais i.2.1) Será usada como critério de desempate a pontuação obtida pelos atletas empatados na ordem decrescente dos postos (do alvo número 20 para o alvo número 01). Será melhor classificado o atleta de maior pontuação no alvo 20 (vinte). i.2.2) Caso persista o empate, o atleta de maior pontuação no alvo19 (desenove) e assim sucessivamente. i.2.3) Ainda persistindo o empate será feito um sorteio. i.3) Por equipe, na final do Campeonato Brasileiro Será vencedora a equipe que tiver entre os seus componentes o atirador com melhor classificação individual. Persistindo o empate a equipe que tiver entre os seus componentes o segundo atirador com melhor classificação individual e assim sucessivamente. j. Verificações Armas e Equipamentos O Diretor da Prova e os Árbitros poderão a qualquer momento verificar as armas e equipamentos usados pelos atletas. O não cumprimento de qualquer requisito será causa de desqualificação imediata. As armas poderão ser cronografadas, para verificar se estão dentro dos limites regulamentados, primeiramente com chumbo fornecido pela direção de prova e, caso a arma se mostre acima do limite, o atirador pode solicitar um novo teste com o chumbo a ser utilizado na prova fornecido por ele (o mesmo que será utilizado na prova pelo atirador em questão). A energia deverá ser calculada na boca do cano pela seguinte fórmula: E = (m x v²) / 2000. Obtemos a Energia multiplicando o Peso do projétil em gramas pelo Quadrado da Velocidade e dividindo o resultado encontrado por dois mil. k. Nível de dificuldade A organização do evento deverá utilizar a Planilha de Cálculo “Nível de Dificuldade HFT – CBTE” de forma a enquadrar a prova no nível de dificuldade estabelecido pela CBTE para cada etapa. 1 [Nd] = Distância (jardas) x ---------------------------------------x fator(es) de correção diâmetro da Kill zone (pol) Onde Nd (nível de dificuldade, ou “Troyer Rating) será o módulo do resultado da multiplicação da distância do alvo em jardas pelo inverso do diâmetro da Kill zone em polegadas e o valor obtido multiplicado pelo(s) fator(es) de correção. Os fatores de correção (a serem multiplicados entre si considerando-se seus diversos fatores tendo em vista a posição de tiro, a distância do alvo e inclinação do mesmo) são: Tiro em pé = 1,75; Tiro ajoelhado = 1,5; Tiro deitado = 1,25; Alvo com distância superior a 45 jardas (41,2 metros) = 1,25; Alvo posicionado acima ou abaixo do plano do posto de tiro (mínimo de 20 graus) = 1,25; Vento (para alvos a distâncias superiores a 30 metros e velocidade de vento superior a 10 km/h)= 1,25 Escuridão/ claridade (alvos em tocas, miragens nas miras)= 1,25 Para cálculo do nível de dificuldade geral da prova, será aplicada a média simples do nível de dificuldade dos alvos. Fatores de Conversão de Unidades: - 1 Polegada = 25,4mm - 1 Jarda = 0,9144m l. Percurso e Postos de Tiro O percurso de tiro terá 20 (vinte) alvos que poderão estar posicionados no mínimo em 4 (quatro) postos de tiro ou de forma totalmente sequencial. A quantidade de alvos por posto pode variar entre 1 (um) e 5 (cinco), sendo que a contagem dos pontos será feita por alvo. Em uma prova totalmente sequencial, teremos por exemplo, um total de 20 postos de tiro com um alvo por posto. Por posto de tiro entenda-se o local delimitado para que o atleta efetue seu(s) disparo(s) no(s) respectivo(s) alvos(s). Cada posto de tiro deverá ser numerado, indicando claramente a direção em que ocorrerá(ão) o(s) disparo(s). Todos os alvos serão numerados e o atleta deverá seguir a ordem indicada. Os alvos deverão ser visíveis a partir do posto de tiro, independentemente da estatura do atleta ou dele ser destro ou canhoto. Os alvos poderão estar parcialmente encobertos por obstáculos, porém a “kill zone” deverá ser pelo menos 50% visível. A parábola descrita pelo projétil deverá estar 100% livre de qualquer obstáculo ou impedimento de sua trajetória. Antes do início da seqüência de disparo de cada atleta o Árbitro deverá avaliar a nitidez e o contraste do animal com a “kill zone” repintando os mesmo quando necessário. Antes de iniciar sua participação em cada posto de tiro o atleta deverá rearmar o(s) alvo(s) do posto. A não observância desta regra implica em um tiro falho por alvo não rearmado. Nenhuma direção de tiro de um posto poderá cruzar direção de tiro de outro posto anterior à localização dos alvos, ou situar-se próxima a postos de tiros. Os percursos de tiro devem ser feitos em ambientes com obstáculos naturais simulando uma caçada em condições adversas. Em cada posto de tiro a ordem do(s) disparo(s) deverá seguir a numeração dos alvos. Disparo em alvo fora da seqüência será computado como zero. Os atletas, por ocasião da confirmação da inscrição, serão distribuídos em esquadrões contendo cada esquadrão no mínimo dois e no máximo quatro atletas. Os Esquadrões utilizarão o sistema de arbitragem cruzada, onde um atleta fiscaliza o outro. Caso exista apenas um atleta para realizar a prova, o Árbitro de Prova acompanhará este no percurso e será seu fiscal. A prova será realizada de acordo com a sequência numérica dos alvos como um percurso de caça, sendo que os esquadrões vão iniciando o percurso de acordo com sua apresentação no primeiro posto de tiro. Um posto de tiro nunca pode estar na área alvejável de outro posto de tiro. Cada atleta pode indicar um orientador que lhe informará o local de impacto dos disparos, bem como o tempo restante por posto. O orientador não pode manusear a arma do atleta ou ajudar de qualquer maneira física uma vez dado o comando "carregar", exceto quando o mesmo esteja temporariamente ou permanentemente incapacitado de remuniciar ou realizar operação de preparo da arma como, por exemplo, recarga de gás. Aplica-se a mesma autorização a adolescentes, idosos e mulheres. Alvo julgado defeituoso pelo Diretor de Prova ou Árbitro deverá ser substituído de imediato ou, na impossibilidade de fazê-lo, deverá ser anulado na prova de todos os atletas. Se a “kill zone” ou região ao seu redor ficarem indistinguíveis pelos sucessivos impactos, o Árbitro poderá interromper a prova para manutenção dos alvos. Se a organização optar pelo compartilhamento parcial ou total dos percursos de FT e HFT, o atirador realizará primeiro a prova de HFT. m. Disparos Duvidosos Sempre que acontecer um tiro duvidoso o atleta deverá colocar a sua arma em segurança, apontando para a zona de tiro, e solicitar do Árbitro a verificação do alvo. O alvo deverá ser inspecionado, sendo utilizado quando disponível um estesiômetro de Semmes Weinstein vermelho magenta com força nominal de 300g ou dispositivo similar devidamente aferido, e a sua decisão será final. n. Abandono O atleta poderá abandonar a prova quando não se sentir em condições de prosseguir, seja por questões pessoais, seja por falha de equipamento. Em tais hipóteses a pontuação obtida até este momento será registrada como resultado final da prova. o. Falha de arma Em caso de pane na arma, o atleta dispõe apenas do tempo regulamentar do posto para solucionar o problema, não sendo permitido nenhum acréscimo de tempo. No decorrer da prova o atleta poderá substituir sua arma por outra que tenha as mesmas características da prova que estiver realizando, comunicando o fato ao Árbitro. Neste caso a arma deverá ter sido previamente vistoriada pelo Árbitro. Tal substituição deverá ser feita no tempo regulamentar do posto, não sendo permitido nenhum acréscimo de tempo. Caso não seja solucionada a pane e/ou a arma não seja substituída em tempo hábil, será válida a pontuação obtida até o momento da pane. p. Segurança É obrigatório o uso de óculos de proteção. Óculos corretivos que cubram a área ocular serão aceitos. É proibida a ingestão de bebida alcoólica antes e durante a prova. As armas só serão colocadas em posição de tiro, municiadas ou disparadas, no posto de tiro. Em qualquer outra situação as armas deverão estar sempre descarregadas, com alavanca de rearme ou cano destravado ou câmara de municiamento aberta. Caso não seja possível ou seguro manter o cano ou a câmara de municiamento aberta, um fio vermelho deverá ser colocado na câmara. Sempre que for ordenado “cessar fogo” o tiro deverá ser de imediato suspenso. Após o esclarecimento da situação, as armas deverão ser descarregas de forma segura ou retornar a competição sempre com autorização do Árbitro. O comando de “cessar fogo” deverá ser dado por qualquer pessoa, quando deparar com uma situação de risco. O atleta que causar disparo acidental será imediatamente desqualificado. Define-se como disparo acidental, todo e qualquer tiro efetuado fora da área alvejável, esteja a arma municiada ou não. Exemplos de falta de segurança: Manuseio de arma, em qualquer situação, que não seja dentro do posto de tiro ou para colocá-la em condições de segurança para transporte ou permanência fora de tais locais; Apontar a arma para qualquer outra área que não a indicada no posto de tiro, quando não estiver com o cano destravado ou a câmara de municiamento aberta; Manter o dedo no gatilho ou dentro do guarda-mato durante o transporte, municiamento, desmuniciamento da arma, recarga de ar ou gás ou ainda durante a troca de reservatórios avulsos de CO2; Todos são responsáveis pela segurança. q. Comportamento anti-desportivo Os competidores estarão sujeitos às sanções previstas neste regulamento quando adotarem comportamento “anti-desportivo”. Exemplos de comportamento “anti-desportivo” incluem, embora não exclusivamente, a trapaça, a desonestidade, a desobediência em relação a instruções razoáveis do Diretor da Prova ou qualquer comportamento parecido que traga má reputação ao esporte. O Diretor da Prova deverá ser notificado logo que possível. r. Penalizações O atleta, ao se inscrever em uma prova, ficará sujeito ao cumprimento do preconizado neste Regulamento, dos bons preceitos de educação e de normas éticas, sendo passível, em caso contrário, da aplicação das seguintes sanções: Advertência Verbal; Penalização em 2 (dois) pontos no resultado da prova; Desqualificação. s. Protesto e apelações Protestos sobre pontuação no posto de tiro e eventuais casos omissos deverão ser decididos no local em primeira instância pelo Diretor de Prova; Após a publicação dos resultados o atleta tem 15 minutos para contestação; Para interpor um recurso, o interessado deverá pagar uma taxa equivalente a uma inscrição de prova. Caso o recurso seja julgado procedente, o valor cobrado será devolvido ao atleta. t. Legislação Todos os atletas, árbitros e dirigentes ficam comprometidos com a preservação da fauna, da flora e com a manutenção do ecossistema, sendo legalmente responsáveis por sua conduta e pelo uso de seus equipamentos.






























Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear

Carabinasdear



×